logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Observando o letramento e a (re)construção identitária de alunos com deficiência visual
Autor(es): Pedro Henrique Silva dos Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Letramento, Letramento, Deficiência visual
Resumo

O presente painel tem por objetivo trazer alguns dos resultados alcançados com a pesquisa Pensando o Letramento em contextos de inclusão social: pessoas com deficiência visual, a qual esteve inserida no projeto (Re) construção de identidades no discurso inclusivo da Educação. O painel apresentará algumas das análises resultantes da coleta de dados, a qual foi realizada em duas escolas públicas estaduais da cidade de Salvador, contando com nove informantes, sendo tais análises balizadas pelo que é trazido na Análise do Discurso Crítica. A pesquisa trata de temas relevantes pra a educação, em primeira escala, e para a toda a estrutura social, em seus desdobramentos. Essa relação de importância é concebida pelo fato de a investigação trazer à luz da sociedade questões relativas à situação em que pessoas com necessidades especiais visuais encontram-se no que tange ao ensino de língua portuguesa na escola pública de nível básico com o propósito de se tornarem indivíduos letrados, refletindo de forma crítica. A reflexão aborda aspectos sobre letramento, observando assim o que seria tornar uma pessoa, de fato, letrada, (re) construção de identidades, observando a identidade através de um viés pós-moderno, não crentralizador, e educação inclusiva, a considerando mais que apenas trazer o aluno para sala de aula. A pesquisa está centrada nos pressupostos da Linguística Aplicada Contemporânea, baseando-se, entre outros, nas concepções de teóricos como Moita Lopes, Rajagopalan e Hall. As atividades de análise realizadas foram centradas em três eixos principais: Verificar como se dá o processo de Letramento do portador de necessidade visual em sala de aula; Verificar como professores e funcionários das escolas se sentem quanto à sua formação/preparação para lidar com portadores de necessidades especiais; e, apresentar/sugerir alternativas, a partir das quais, o aluno portador de necessidades especiais visuais possa sentir-se incluído dentro e fora da sala de aula. A partir daí, crê-se que, junto aos resultados, problematizações foram, se não criadas, trazidas à baila no momento de finalização da pesquisa.