logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Notas de pesar e os efeitos das designações ‘tragédiaÂ’ e ‘acidenteÂ’
Autor(es): Maria Cleci Venturini. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave efeitos de sentidos, efeitos de sentidos, sujeito
Resumo

Tem nos chamado, cada vez mais a atenção, as designações usadas para descrever acontecimentos urbanos, tendo em vista que por essas designações ressoam discursos, filiações e inscrições a lugares e a posições. Vale destacar que uma designação se constitui como uma escolha política, pois dizer ‘a’ e não ‘b’ faz com que se constituam relações parafrásticas em relação a ‘a” e não a ‘b’. Recortamos para refletir em torno dessas relações, as designações ‘tragédia’ e ‘acidente’, quando do incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria/RS, ocorrido na madrugada de 27 de janeiro de 2013. As designações, já referidas, encaminham para diferentes efeitos de sentidos e inscrevem o acontecimento em um domínio e não em outro. A tragédia, por exemplo, faz com que retornem acontecimentos que envolvem os sujeitos no coletivo e, frequentemente, são espetacularizados pela mídia, por meio da construção de versões sempre novas e, frequentemente ‘espetaculares’. Ela não é tão forte como o crime, mas por/nela ressoa a violência e, com ela a comoção urbana, que faz com que a cidade pare e os olhares de todos, voltam-se para ela, como aconteceu com o incêndio de Santa Maria, em que o ‘centro’ da cidade, do Brasil e talvez do mundo, instalou-se/funcionou ali. O acidente não é menos triste e nem minimiza a tragédia, porque não diminui as mortes e nem o sofrimento. Mas instaura a contradição em torno de um mesmo acontecimento, pois como acidente, ele deixa de se significar crime, ou irresponsabilidade, deslizando para o dano, que é causado à formação social e aos sujeitos-cidadãos que a constituem, de modo involuntário e que, a priori, não poderia ter sido evitado. Interessa-nos em torno das notas de pesar e dessas designações, verificar o funcionamento discursivo da ‘tragédia’, buscando pelos discursos que a sustentam e destacar no funcionamento discursivo do acidente, os sujeitos que o significam como ‘involuntário’ e as memórias e discursos que retornam por essa designação, bem como os efeitos de sentidos que resultam de um emprego ou de outro. Os funcionamentos destacados sinalizam para o sentido das palavras filiado a memórias e, para deslizamentos e rupturas, que rompem com o estabilizado e instalam funcionamentos antagônicos.