logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A categoria de sujeito na enunciação e na análise de discurso: reflexões iniciais
Autor(es): Kelly Fernanda Guasso da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Sujeito, Sujeito, Linguística
Resumo

Nosso objetivo é apresentar um estudo inicial acerca da concepção da categoria de sujeito a partir do que é teorizado por Émile Benveniste, um importante nome para os estudos linguísticos, e Michel Pêcheux, um filósofo que se preocupou também com as questões do discurso. Por meio deste estudo, pretendemos entender e realizar uma análise contrastivo-discursiva entre o que cada um dos autores propôs a respeito da categoria de sujeito, não só no que se refere à maneira pela qual suas teorias contribuíram para o desenvolvimento e aperfeiçoamento da Linguística, mas também à produção de conhecimentos dentro dos estudos em Análise de Discurso. Nosso percurso será o de, inicialmente, buscar no livro Problemas de linguística geral I, de Émile Benveniste, a concepção referente à categoria de sujeito e, a seguir, considerarmos os livros Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio, de Michel Pêcheux; A língua inatingível, de Françoise Gadet e Michel Pêcheux; e Análise de Discurso: Michel Pêcheux, com a tradução de textos dele coordenada por Eni Orlandi, para que tenhamos a possibilidade de realizar a comparação entre as designações que nos são apresentadas nessas obras. Faremos um recorte e analisaremos apenas os textos relacionados à designação da categoria de sujeito, a fim de que possamos nos deter nesse elemento, já que esse estudo tem relevante importância e possui suas peculiaridades. Nossa perspectiva teórico-metodológica segue os pressupostos da Análise de Discurso, tal como foi concebida por Michel Pêcheux e como vem sendo desenvolvida no Brasil nas últimas décadas. Como resultado inicial, podemos inferir que tanto Émile Benveniste quanto Michel Pêcheux propõem que o sujeito se constitui como tal a partir do outro. Benveniste apresenta a relação do “eu” (o sujeito) com o “tu”´(o outro), ao passo que Pêcheux refere a constituição do sujeito à ideologia, que se significa a partir do interdiscurso. Portanto, a subjetividade sugerida por Benveniste é a capacidade de o locutor propor-se como sujeito, enquanto Pêcheux desloca a noção de “eu” e “tu” para uma relação entre interlocutores, via discurso. Podemos apreender com o decorrer deste trabalho que o conceito de sujeito é bastante complexo, a partir do momento em que sua determinação é indispensável para o estudo do discurso, representando uma área de conhecimento que tem muito a agregar aos estudos linguísticos.