logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A circulação das condições de produção discursivas sobre o tradutor técnico determinando as condições de trabalho deste profissional
Autor(es): Marcella Machado de Campos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave linguagem e trabalho, linguagem e trabalho, tradutor técnico
Resumo

Em linha com a proposta do simpósio “Linguagem e identidades profissionais”, a finalidade desta apresentação é tecer comentários sobre parte dos resultados da dissertação de mestrado “O que os olhos não veem, o coração sente: dramáticas do tradutor técnico” recém-defendida pela PUC-SP, cujo objetivo era acenar para a condição de trabalho atual do tradutor técnico no Brasil ao contemplar a atividade da tradução como dramática laboral em que o profissional é continuamente convocado a fazer escolhas e a arbitrar sua gestão segundo valores distintos e, por vezes, contraditórios. Para tanto, lançou-se mão dos princípios teórico-metodológicos da Ergologia (cf. Schwartz; Durrive, 2010) e das noções de condições de produção, primado do interdiscurso e interincompreensão regrada no âmbito da Análise do Discurso francesa (cf. Maingueneau, 1984). Para acercar-se do objeto de estudo, a abordagem proposta foi viabilizada por meio de um questionário, submetido a tradutores voluntários, como forma de sugerir uma reflexão sobre o que este profissional faz e como o faz com o intuito de proporcionar uma maior conscientização sobre si mesmo como trabalhador. Com base nas respostas obtidas, foi possível verificar quão enraizados estão os diferentes momentos sócio-históricos que pontuam a trajetória da Tradução em solo nacional e quanto eles influenciam a maneira como se compõe a identidade laboral do tradutor, entendido como um sujeito discursivo-ergológico atravessado pelo já-lá de outras vozes e às voltas com as contínuas renormalizações exigidas pelos debates de valores e de normas da sua atividade. Destaca-se, ainda, que tais encaminhamentos só foram possibilitados a partir da reflexão metodológica do que constitui o fazer do próprio pesquisador, tornando plausível propor que se assuma o papel de analista do discurso-ergólogo a fim de abarcar o entroncamento dos seus pressupostos de origem, além das especificidades que caracterizam o panorama brasileiro e que influem no modo como as pesquisas são conduzidas.