logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Paratradução e História em Quadrinhos: A tradução além dos escritos.
Autor(es): Adriano Clayton da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 25/02/2024
Palavra-chave Tradução, Tradução, História em Quadrinhos
Resumo

Nossa sociedade globalizada atual é mestiça por excelência: uma mistura de várias culturas e línguas, cada qual contribuindo de algum modo para nossa existência e subsistência. Palavras, produtos culturais como programas de TV e Histórias em Quadrinhos (HQ), objetos e mesmo alimentos nos remetem constantemente a modos de ver, ler e viver mundos que acabamos vendo, lendo e vivendo como nossos sem nem mesmo nos apercebermos. As HQs traduzidas de diversas línguas, e que chegam às bancas de revistas mensalmente, são o objeto de estudo deste trabalho. É crescente o número de publicações nacionais e importadas, para diversos públicos (não apenas para jovens), sem haver no entanto o correspondente interesse pelos estudos acadêmicos. O conceito de paratradução, proposto inicialmente por um grupo de pesquisadores da Universidade de Vigo, na Espanha, mas que vem ganhando cada vez mais atenção nos estudo em Tradução, e que leva em conta os elementos “além” da tradução (como contexto, elementos não verbais e paraverbais, suporte físico etc), provê o fundamento teórico do trabalho. Com esse fundamento, torna-se mais importante para o cotejo de uma tradução a cultura e a história que o texto ou a palavra. O que se busca mostrar é como o tradutor de HQ faz suas escolhas baseado no tipo de material em que trabalha, ou seja, levando em conta não só o texto – dentro e fora dos balões – mas todo o material com que trabalha: a imagem, a forma, o tamanho e o conteúdo da HQ, entre outros elementos possíveis. Os álbuns de HQ analisados são do personagem francês Asterix, ou seja, são analisadas traduções de HQs do francês para o português brasileiro. A escolha desses álbuns deve-se essencialmente ao seu grande conteúdo sociocultural, com aspectos políticos e ideológicos que garantiram e garantem até hoje o sucesso da publicação francesa em mais de cem línguas e que, por isso, tornam-se mais um desafio para o tradutor.