logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Os verbos impessoais na gramaticografia de língua portuguesa
Autor(es): Fernando Martins Rocha. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Verbos impessoais, Verbos impessoais, gramatização
Resumo

O processo de gramatização é descrito por Auroux (2009:65) como sendo “o processo que conduz a descrever e instrumentar uma língua na base de duas tecnologias, que são ainda hoje os pilares de nosso saber metalinguístico: a gramática e o dicionário”. Este processo de gramatização, na língua portuguesa, se inicia com a obra de Fernão de Oliveira, a Grammatica da Lingoagem Portugueza, de 1536, e percorre uma longa tradição até desembocar nas gramáticas normativas do século XX. Ocorre que este processo implicou não somente na descrição dos fenômenos da linguagem, mas também no desenvolvimento de conceitos que explicassem os fenômenos. Deste modo, iremos demonstrar neste trabalho que a construção deste saber gramatical, entendido como a descrição dos fenômenos da língua, a construção de conceitos e o estabelecimento da normatividade, não ocorreu de modo linear. Para atingir este objetivo, faremos um recorte e restringiremos nosso objeto de estudo à noção de verbo impessoal. As gramáticas normativas, após a fixação da Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB), datada de 1959, padronizaram a noção de verbo impessoal, definindo-o como verbo sem sujeito. Ocorre que esta definição é a antítese das definições de verbo impessoal registradas na tradição gramatical de língua portuguesa. Até o século XIX, o verbo impessoal era um verbo que possuía sujeito. Somente com a padronização das gramáticas normativas pós-NGB esta noção é invertida, fazendo com que o verbo impessoal passasse a não mais ter sujeito. Inicialmente, em 1587, na obra de Francisco Sánchez de Laz Brozas, matriz de muitas das gramáticas de língua portuguesa, apontava-se para a noção de verbo impessoal como o verbo destituído desinência pessoal. Desta primeira noção desenvolveu-se outra, ligada à ideia de indeterminação. As gramáticas ulteriores ainda acrescentaram outras noções, sempre vinculadas à presença do sujeito. Portanto, este trabalho abordará as diversas noções de verbo impessoal que foram construídas ao longo do processo de gramatização da língua portuguesa.