logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A logística das sessões de interação e mediação no teletandem com vistas ao ensino/ aprendizagem de línguas estrangeiras
Autor(es): Daniela Nogueira de Moraes Garcia. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave ensino/aprendizagem, ensino/aprendizagem, novas tecnologias
Resumo

Indubitavelmente, as possibilidades trazidas pelas inovações tecnológicas alcançam todos os setores da vida cotidiana, incluindo o cenário educacional. A internet e sua rica gama de ferramentas nos conduzem por veredas variadas e multifacetadas que demandam exploração e conhecimento. Há um grande potencial para a construção e compartilhamento do conhecimento permitindo a aproximação pessoas, além das barreiras geográficas ou temporais. Ao aliar o uso da internet às ações pedagógicas em línguas estrangeiras, deparamo-nos com o conceito de telecolaboração (BELZ, 2003), que possibilita que as aulas sejam complementadas e enriquecidas com vistas à comunicação significativa, ao acesso ao falante nativo e sua cultura e à competência intercultural. O teletandem configura-se como um contexto de telecolaboração, proposto por Telles (2006, 2009), a partir da formação de parcerias entre aprendizes de diferentes línguas estrangeiras para a realização de sessões bilíngues de conversação por meio de aplicativos de mensagens instantâneas, como o Skype. A aprendizagem em tandem, guiada pelos princípios da autonomia, reciprocidade e uso separado de línguas, têm seu início na Europa nos anos sessenta, em contextos presenciais, dadas as facilidades de acesso e mobilidade entre os países. No Brasil, as investigações do tandem associadas às tecnologias- teletandem- tiveram seu início com a proposta de Telles e têm avançado com resultados interessantes abarcando temas diversificados. Atualmente, as sessões de interação em teletandem são realizadas, na universidade, entre grupos de alunos estrangeiros e brasileiros, que são, individualmente, pareados, para uma conferência via Skype, com recursos de áudio e vídeo, por, aproximadamente, uma hora, no Laboratório com a supervisão de um professor/pesquisador/mediador. Após as interações, há a sessão de mediação que visa fomentar a reflexão e auxiliar os aprendizes que realizam o teletandem com o intuito de maximizar o processo de ensino/aprendizagem no qual estão envolvidos. Nesse trabalho, pretendemos abordar a logística das sessões de interação e mediação em teletandem, apresentando dados coletados, sob uma metodologia qualitativa, de cunho etnográfico, com um olhar de pesquisa sobre as interações em si, a formação de professores e as sessões de mediação. Os resultados preliminares apontam, nas práticas colaborativas em teletandem, desafios referentes: (i) às diferenças de calendário escolar e fuso horário entre países e (ii) à maneira como o teletandem é concebido nas diferentes instituições.