logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Representações de língua construídas por jornalistas: análise de um texto sobre um livro didático destinado à Educação de Jovens e Adultos
Autor(es): Evelise Raquel Morari. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Representação de língua pela mídia, Representação de língua pela mídia, Análise do Discurso
Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar um texto jornalístico divulgado pela imprensa de massa sobre a publicação do livro didático de Língua Portuguesa Por uma vida melhor para Educação de Jovens e Adultos (EJA). Este texto que será analisado é um recorte do levantamento de 14 textos jornalísticos, os quais foram centrados em poucas frases do início de um capítulo do livro sobre variantes linguísticas. O texto selecionado para análise foi veiculado no jornal O Estado de São Paulo, no dia 17/05/2011, intitulado Por uma vida pior, de Dora Kramer. Kramer é jornalista e tem publicações diárias no jornal O Estado de São Paulo, em São Paulo, e no jornal O Dia, no Rio de Janeiro. A crítica ao livro é tecida somente pelos exemplos que ganharam destaque na mídia, os quais são apenas quatro frases isoladas:

“Os livro ilustrado mais interessante estão emprestados”

“Na variedade popular, basta que a palavra ‘os’ esteja no plural”

“A língua portuguesa admite esta construção”

“Mas eu posso falar ‘os livro’? Claro que pode.”

Essas frases fazem parte do capítulo “Escrever é diferente de falar”, na seção “A concordância entre as palavras”, onde os autores tratam da concordância nominal e verbal seguindo uma orientação sociolinguística. No livro didático, essas frases não aparecem soltas, há um contexto. A pesquisa é fundamentada numa abordagem discursivista e serão considerados os seguintes conceitos: sujeito, língua/linguagem, discurso, formação discursiva e formação ideológica. O texto é analisado pela regularidade enunciativa que remete a determinados discursos, resultantes de formações ideológicas, e como tais discursos são materializados na superfície linguística. Ao longo da análise, notamos que Kramer faz uso de ironia e, também, ignora por completo os PCN, que foram implementados a mais de dez anos e, de acordo com o documento, os livros didáticos de língua portuguesa devem abordar o conteúdo de variação linguística. Um dos resultados mostra que a representação de língua predominante é a de que “saber língua” é ter o “domínio das regras das gramáticas normativas”.