logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: O ensino de sistemas de memórias de tradução na graduação: desafios e perspectivas
Autor(es): ERIKA NOGUEIRA DE ANDRADE STUPIELLO. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Sistema de memória de tradução, Sistema de memória de tradução, Formação de tradutores
Resumo

Dominar o uso de recursos tecnológicos de auxílio à tradução, em particular dos sistemas de memória, é um requisito que tem se tornado cada vez mais comum para que um tradutor atue de forma eficiente no dinâmico mercado de traduções especializadas, que inclui desde a tradução de manuais e informativos técnicos à localização de programas de software, sites, jogos, aplicativos diversos. A primazia, nesse mercado, é por profissionais que agreguem competência linguística ao domínio de ferramentas que acelerem a produção de traduções. A crescente incorporação desses recursos à rotina do trabalho tradutório tem, por sua vez, promovido transformações no exercício da profissão. Dentre algumas das consequências da automação parcial da prática tradutória, destacam-se a demanda pela aceleração da produção de traduções e pelo fornecimento da pesquisa terminológica (memória) composta durante o trabalho. Visando a oferecer a alunos de graduação o conhecimento técnico pressuposto para atuação profissional, muitos cursos de formação universitária de tradutores no Brasil promoveram modificações em seus currículos para incluir o treinamento em sistemas de memórias de tradução. Este trabalho divide-se em duas partes. Na primeira serão apresentados alguns desafios enfrentados no ensino de sistemas de memórias de tradução a alunos do segundo ano do curso de Bacharelado em Letras com Habilitação de Tradutor (Inglês) da Unesp de São José do Rio Preto. As duas principais questões abordadas serão o ensino dos recursos de segmentação textual e de compilação da memória, resultante do trabalho de tradução e da aplicação eficaz do sistema. Uma vez que o aumento da produtividade tradutória depende diretamente da recuperação promovida pelo sistema de memória, torna-se essencial ao tradutor em formação aprender a organizar o conteúdo de forma a propiciar a restauração de segmentos já traduzidos. Essas questões serão tratadas por meio de exemplos extraídos das memórias de traduções compiladas por alunos da disciplina e pela análise dos principais problemas de segmentação encontrados. Na segunda parte do trabalho serão apresentados os primeiros dados de um estudo em desenvolvimento que visa fornecer subsídios para maior conhecimento de como graduandos em tradução fazem uso dos recursos dos sistemas de memórias. Busca-se, com este trabalho, construir uma reflexão que promova a percepção, por tradutores em formação, de como a automatização parcial de seu trabalho pode afetar suas escolhas e, até mesmo, seu estilo de escrita.