logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A força entoacional em léxico emocionalmente marcado
Autor(es): Waldemar Ferreira Netto, Vitória Regina Spanghero. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave entoação, entoação, português
Resumo

O propósito deste ensaio é verificar se as variações de frequência e de duração na fala podem ser correlacionadas com os itens lexicais cuja semântica seja carregada emocionalmente. Para tanto, estabelecemos um índice que chamamos de "força entoacional", que consiste na média geométrica definida pela entoação em Hz que ocorre acima do Tom Médio e pela duração em ms de cada unidade portadora de entoação. As frases fazem parte do acervo de gravações já utilizadas em nossas pesquisas anteriores. Compõem-se principalmente de trechos de falas com forte entoação emotiva, com registro colérico, em que se inserem palavras ou expressões com carga emocional acentuada. Foram feitas análises de 13 extratos de gravações de fala que se definiam por uma ou duas frases sintaticamente completas. Os dados acústicos foram extraídos pelo programa ExProsodia. As palavras ou expressões definidas por sua carga emocional foram: "merda", "merda de", "safado", "esmola", "tortura", "porra de", "bosta", "preso", "tomar no cu", "não é santa", "pederastas", "afeminados", "boceta de", "filho da puta". Os termos foram usados com agressividade, tanto para agredir o interlocutor como para convencê-lo de argumentos controvertidos e radicais. A diferença entre as ocorrências observadas de expressões lexicais ou lexicalizadas carregadas emocionalmente que receberam força entoacional e as que não receberam foram testadas comparativamente por meio de um teste t para amostras independentes. As análises mostraram diferenças significativas entre elas (to>tc, P<0,01). Esse dado aponta para o fato de que agressividade lexical não se traduz necessariamente em força entoacional, ainda que possa fazê-lo. De todas as frases que analisamos, duas frases não receberam força entoacional, apesar de serem portadoras de expressões com forte carga emocional ("merda de" e "tomar no cu"). Todas as demais apresentaram força entoacional em algum item ainda que não fosse sobre os esperados. Esse fato permite estabelecer a hipótese de que a força entoacional independe da carga emocional do léxico utilizado e, portanto, podem ser caracterizados como processos linguísticos independentes, corroborando a hipótese de que a fala decorre da integração entre os dois sistemas vibratórios: o sistema vibratório descontínuo, próprio das unidades da segunda articulação e consequentemente do léxico, e o sistema vibratório contínuo, próprio da voz humana. Na medida em que sistema vibratório contínuo independe das unidades fonológicas e, portanto, lexicais, pode se pensar que a entoação é portadora de informações independentes das informações lexicais. Assim, é possível possa supor a existência de um sistema informacional cujo portador é a entoação.