logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Eventos de letramento formativos no local de trabalho do professor: negociando posicionamentos e (as)simetrias nas interações em HTPC
Autor(es): Paula Baracat De Grande. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave práticas de letramento, práticas de letramento, interação
Resumo

O presente trabalho tem por objetivo realizar uma análise dos posicionamentos e (as)simetrias gerados na interação entre professoras e coordenadora em eventos de letramento formativos no local de trabalho do professor, mais especificamente, durante reuniões de HTPC (Hora de Trabalho Pedagógico Coletivo). O trabalho é um recorte da pesquisa de doutorado em Linguística Aplicada em andamento, intitulada “Práticas de Letramento do Professor e Formação Continuada no local de trabalho: o que dizem as professoras em reuniões de HTPC”, desenvolvida no Instituto de Estudos da Linguagem (UNICAMP) e orientada pela Profa. Dra. Angela Kleiman. A pesquisa, qualitativa-interpretativista e de cunho etnográfico, tem como corpus dados gerados em observação participante em reuniões de HTPC de Ensino Fundamental I. Baseada na perspectiva sociocultural dos Estudos de Letramento, que assume que a leitura e a escrita são práticas sociais sempre carregadas de valores, e na concepção dialógica de linguagem do Círculo de Bakhtin, analiso neste trabalho eventos de letramento formativos no local de trabalho do professor, dando enfoque às interações entre as participantes durante a discussão de textos escritos de diferentes gêneros discursivos selecionados para sua própria formação e à negociação de posições hierárquicas nessas interações. No contexto da pesquisa, acompanhei dois tipos de HTPC: a reunião semanal, em que professoras de todos os anos de uma mesma escola se reuniam; e uma reunião quinzenal, da qual participavam somente professoras que atuavam no 5º ano, com o objetivo específico de discutir conteúdos cobrados nas avaliações externas. Há um contraste entre as estruturas de participação nas interações dos dois tipos de evento, como também na negociação de lugares e papéis entre as participantes: por um lado, nas reuniões semanais na escola, professoras são posicionadas numa relação hierárquica bastante assimétrica com a coordenadora, responsável pela organização do evento; por outro, nas reuniões quinzenais, as professoras constroem relações mais simétricas e se posicionam como detentoras de saberes relevantes para serem compartilhados com seus pares. Ao alinhar-me a perspectiva sociocultural do letramento, considero que a análise de eventos de letramento possibilita conhecer as práticas de letramento mobilizadas neste contexto formativo: os conhecimentos, gêneros, padrões interativos e discursos mobilizados pelas participantes. Assim, a análise permite conhecer o que ocorre nesse espaço de formação ainda pouco investigado, mas que é relevante para formadores de professores e para o planejamento de políticas públicas que têm em vista o professor.