logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A repetição de palavras no discurso literário: uma escolha expressiva
Autor(es): Elis de Almeida Cardoso. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave seleção lexical, seleção lexical, expressividade
Resumo

Podendo ocorrer no nível fonológico, morfológico, sintático ou discursivo, a repetição ou reiteração é um recurso comum, aparecendo na fala ou na escrita. Desde a repetição de fonemas, constituindo aliterações ou assonâncias, passando pela repetição de morfemas (prefixos, sufixos), chega-se à repetição de palavras, de frases, de períodos, de textos, de discursos. É a repetição de palavras - palavras lexicais, nocionais, reais, plenas -, no discurso literário, que nos interessa mais de perto, e o objetivo é verificar de que forma ela pode se constituir em um recurso de expressividade, geradora de um efeito de sentido. No texto poético, muitos autores se valem da repetição. Seja em forma de quiasmo, de anáfora, a repetição de palavras pode ser analisada como um elemento de intensificação, de diminuição, de exagero, de ironia, dentre outros. Pretende-se verificar nesta comunicação de que forma a repetição de palavras, que na maioria das vezes é um recurso de textualização operacional responsável, sobretudo, pela coesão, pode não só ser um indicativo da unidade temática do texto, como principalmente um recurso aplicado à função estética, ao ritmo, em se tratando de poesia. Tomando por base os trabalhos de Teles (1997), Koch (2002), Antunes (2012), o presente trabalho objetiva verificar, em textos poéticos dos séculos 20 e 21, de que forma a repetição de palavras no discurso literário, recurso utilizado por inúmeros escritores, gera efeitos de sentido, funcionando como elementos de persuasão e argumentação. Almeja-se, com a recolha de textos de diferentes poetas, tais como Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manoel de Barros, Mário Quintana, mostrar de que maneira a repetição de palavras, em relação à frequência e à distribuição ao logo dos textos, pode ativar no leitor suas referências, estimulando sua percepção para o papel da estruturação textual e de sua unidade significativa.