logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Do papel ao digital: movimentos discursivos da implantação de livros didáticos em tablets nas escolas públicas pelo MEC
Autor(es): Danilo Vizibeli. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Discurso, Discurso, Tecnologia
Resumo

Diante de múltiplas possibilidades procura-se investigar os sentidos atribuídos ao livro na atualidade, pois o mesmo não é mais configurado de uma única forma como o formato antigo de códex. Ler é uma prática social que ganhou diversos suportes com o advento da internet e das redes sociais. Nesse sentido, o presente trabalho procura analisar os movimentos discursivos, tomados como acontecimento, da implantação de livros didáticos em tablets pelo Ministério da Educação (MEC). No início de 2014 foram distribuídos milhares de equipamentos, primeiramente aos professores da rede pública de ensino em todo o Brasil. A proposta é atingir os alunos e promover uma transposição ou readequação do livro didático para o formato digital. Diante desse fato questiona-se: quais os efeitos de sentido para a prática da leitura e da escrita e suas repercussões na prática pedagógica? O estudo em fase inicial procura levantar e formatar o corpus de pesquisa para um projeto de doutorado. As análises se pautam na Análise de Discurso Francesa, trazendo em uma primeira fase a noção de arquivo e acontecimento discursivo, tomadas do teórico Michel Pêcheux. Em um primeiro momento vasculha-se a web no sentido de procurar notícias sobre livros didáticos em tablets e de preferência que tenham relação com o MEC. Numa fase futura analisar-se-ão também os editais para compra de tablets e livros digitais lançados pelo governo federal. Neste trabalho, observa-se a notícia intitulada “Livro digital: o didático do futuro”, publicada no portal do Jornal O Globo, disponível em: http://oglobo.globo.com/educacao/livro-digital-didatico-do-futuro-7720696. Percebe-se em um primeiro momento o discurso da substituição de um suporte por outro. Para Chartier (1998), ler em suportes diferentes promove o desenvolvimento de “outras” práticas de leitura e com isso os efeitos de sentido de modernidade e tradição, o velho e o novo, confrontam-se para promover a paráfrase ou a polissemia na ordem do discurso dos tempos de uma educação crítica, moderna e tecnológica.