logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A disciplinarização letrada das línguas indígenas no Sul do Brasil: uma abordagem discursiva
Autor(es): Carlos Maroto Guerola. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Ensino-aprendizagem de línguas, Ensino-aprendizagem de línguas, Escola indígena
Resumo

Com o fim de ampliar a discussão em torno dos discursos contemporâneos sobre ensino-aprendizagem de línguas na educação escolar indígena, e pô-los em relação com os discursos acadêmicos a partir dos quais se constituíram, o presente artigo busca visibilizar representações discursivas das acadêmicas e acadêmicos Guarani, Kaingang e Xokleng da Licenciatura Intercultural Indígena (LII) do Sul da Mata Atlântica da Universidade Federal de Santa Catarina em relação à situação atual do ensino-aprendizagem de línguas indígenas nas escolas das comunidades das quais fazem parte. A partir do enquadramento teórico dos estudos do discurso (BAKHTIN, 2006; 1997; 2002) e da análise crítica do discurso (CHOULIARAKI; FAIRCLOUGH, 1999; FAIRCLOUGH, 2003), e a partir de uma abordagem qualitativa e interpretativista, de cunho etnográfico (ERICKSON, 1990; HEATH; STREET, 2008), o presente trabalho traz um recorte das discussões entre as acadêmicas e acadêmicos da LII e a equipe docente da disciplina Alfabetização em Contexto Bilíngue, disciplina obrigatória do curso e ministrada entre agosto e dezembro de 2012, no campus da UFSC em Florianópolis. A análise da educação escolar indígena diferenciada e bilíngue como uma ordem do discurso, inseparável das suas práticas e eventos sociais, tornou possível entrever os fios dialógicos que ligam essas práticas e discursos, no Sul do Brasil, aos regimes metadiscursivos herdeiros da tradição da filologia europeia, à relevância que os processos de ensino-aprendizagem escolar de letramentos foram ganhando ao longo do desenvolvimento da industrialização capitalista no século XX no Brasil e à tradição grafocêntrica das políticas linguísticas conforme abordadas nesse paradigma sociopolítico. É através da identificação desses fios dialógicos que a análise das representações discursivas levantadas neste trabalho é interpretada como apontando para a disciplinarização letrada das línguas Guarani, Kaingang e Xokleng nas escolas indígenas do Sul do Brasil, concluindo-se por disciplinarização letrada a redução das práticas sociodiscursivas escolares, textualizadas através dos recursos identificados com essas línguas, no espaço (sala de aula) e no tempo (horário de disciplinas específicas), em torno de atividades escolares que focam fundamentalmente a leitura e a escrita dessas línguas.