logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: “Ferramentas linguísticas” nos diagnósticos de dislexia
Autor(es): Patrícia Aparecida de Aquino. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave diagnóstico, diagnóstico, fundamentação teórica
Resumo

Este trabalho consiste no resultado da análise, da perspectiva da Neurolinguística Discursiva, de materiais que dão suporte a diagnósticos de dislexia e de outros distúrbios de aprendizagem. Com o objetivo de depreender a concepção de língua, linguagem, escrita, alfabetização e leitura subjacente a tais diagnósticos, procurei materiais que explicitassem as “ferramentas linguísticas” utilizadas ou que comentassem os textos produzidos pelos sujeitos diagnosticados. A maioria dos materiais pesquisados faz uso de noções como “níveis de leitura”, “níveis de escrita”, “erros ortográficos” ou avalia os textos como “escrita de tipo disléxico” sem qualquer explicação ou filiação teórica, como se não se tratasse de temas de pesquisa científica, em relação aos quais há controvérsias, diferentes abordagens e teorias. No corpus analisado, dois livros – Psicopedagogia clínica: manual de aplicação prática para diagnóstico de distúrbios do aprendizado, de Marcia Siqueira de Andrade, e Dislexia: una comprensión de los transtornos de aprendizaje, de Eulàlia Torras de Beà, se destacam da maioria pelo fato de as autoras, além de criticarem algumas das ferramentas utilizadas em diagnósticos de dislexia e de outros chamados distúrbios de aprendizagem, apresentarem e, em alguma medida, analisarem textos produzidos por crianças com suspeita de dislexia. A análise desses livros deixa nítido que, mesmo em obras que se preocupam com a fundamentação teórica e com a análise de dados, há desconsideração do conhecimento produzido pela Linguística em relação à alfabetização, à produção escrita e à leitura; além disso, pude verificar equívocos na concepção de língua, linguagem e, consequentemente, de sujeito. Sempre que houve menção a alguma das aqui chamadas “ferramentas linguísticas”, essa menção foi analisada, bem como as decorrências de sua utilização. Da mesma forma, foi analisado cada um dos comentários sobre os textos produzidos pelos sujeitos diagnosticados, de forma a observar sua pertinência do ponto de vista da Linguística, mais especificamente da Neurolinguística Discursiva; parte desses comentários se refere às razões dos erros ortográficos; nesses casos, verificou-se se estão ou não de acordo com a bibliografia específica sobre a aquisição da escrita. (Apoio: FAPESP – Processo 2013/009985-0)