logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A necessidade de padronizar a aprendizagem da escrita – um olhar enunciativo sobre o diagnóstico no espaço escolar
Autor(es): Mariana da Silva Marinho. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave diagnóstico, diagnóstico, relação professor-saber-aluno
Resumo

Esse trabalho se fundamenta, teoricamente, pelos pressupostos da Linguística da Enunciação, particularmente a de orientação benvenistiana. Seu objetivo principal é a problematização dos efeitos de sentido dos discursos que circulam no espaço escolar, sobre alunos diagnosticados com necessidades educacionais especiais pela própria instituição de ensino, no que se refere à aprendizagem da escrita por esses alunos. Parte-se do pressuposto que esses discursos podem afetar a relação professor-saber-aluno, de modo a produzir um afrouxamento no laço estabelecido pelos envolvidos nessa relação. Tendo em vista o sistema educacional mineiro, esses diagnósticos têm, muitas vezes, relação com as provas enviadas anualmente pelo governo para avaliar a situação do ensino no Estado. Entende-se que a escola, no processo de aquisição do sistema de escrita pela criança, ao estabelecer padrões a serem atingidos por seus alunos, em um processo que se constituiria por etapas progressivas a serem superadas pela criança, por exemplo, de acordo com sua faixa etária e nível de escolarização, teria como resultado esperado o conhecimento, a aprendizagem efetiva da escrita. Quando os alunos não atendem as expectativas do sistema escolar quanto à progressão nesse processo, são considerados inaptos por alguma “incapacidade mental ou motora”. (Cf. Smolka, 2008, p. 26). Para classificar os alunos quanto a sua (in)aptidão para a aquisição de conhecimentos acadêmicos, nesse caso, conhecimentos relativos à escrita, a escola utiliza avaliações para acompanhar quais seriam as dificuldades do aluno quanto aos conteúdos escolares a serem desenvolvidos. A partir disso, a proposta é fazer uma reflexão teórica a respeito do que seria esse diagnóstico dado pela escola quanto aos alunos que não respondem da maneira esperada essa demanda, a partir dos conceitos enunciativos de transmissibilidade, laço e intervenção-interferência. Essa reflexão permitirá pensar os modos como o diagnóstico pode influenciar a prática pedagógica e o próprio processo de aprendizagem de alunos diagnosticados, particularmente no que se refere ao sistema escrito da língua portuguesa.

(Apoio: FAPEMIG)