logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Sob o véu de Satrapi: um estudo sobre o conflito identitário e a projeção dos etos discursivos em Persépolis
Autor(es): Camila Cristiny da Rosa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave Etos, Etos, Persépolis
Resumo

A visão ocidental estereotipada da mulher muçulmana consequente da influência midiática veiculada até a década de 1990 perdura até os dias de hoje. No entanto, a concepção de mulher submissa, sem identidade e liberdade individual propagada até então tem sido gradativamente rompida por meio do acesso às novas formas de comunicação e da publicação de obras que exploram o olhar feminino oriental. Em 2000, foi publicada na França a história em quadrinhos Persépolis, na qual a artista Marjane Satrapi apresenta seu relato autobiográfico acerca dos conflitos sociais e religiosos em seu país de origem, o Irã, bem como das repressões femininas sofridas com as mudanças ocorridas. Nessa perspectiva, é possível destacar a discrepância relativa à construção identitária feminina do mundo oriental pelo imaginário popular ocidental. Com base nisso, objetivou-se examinar o conflito identitário da mulher iraniana, averiguando a construção dos etos discursivos projetados por Marjane Satrapi por meio da análise das personas incorporadas pela personagem ao longo da obra. Em seguida, buscou-se apresentar uma breve discussão das crises relativas às liberdades ideológicas e sociais de Marjane, bem como das tentativas de fuga das tradições muçulmanas e de integração aos meios nos quais ela se insere durante a história narrada. Para fundamentar a análise, foram realizadas pesquisas de revisão bibliográfica (Lakatos; Marconi, 2001) de teóricos que abordam estudos referentes ao etos discursivo e à construção da identidade e de suas caracterizações, tais como: Maingueneau (1995; 1997; 2011), Amossy (2011) e Bertol e Souza (2010). Além do levantamento teórico, foi realizada uma breve contextualização histórico-social acerca da mulher iraniana e da importância cultural, política e religiosa do uso do véu nos países islâmicos. Para a análise, foram selecionadas 11 cenas em que a personagem constrói diferentes identidades, resultantes dos conflitos identitários sofridos ao longo da obra. Compreende-se que Marjane representa um sujeito fragmentado, influenciado por fatores como desterritorialização, necessidade de interação e privações de identidade e liberdade.