logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Escopo da linguística forense
Autor(es): Dayane Celestino de Almeida. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave linguística forense, linguística forense, linguagem e direito
Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar o escopo da disciplina que vem sendo chamada de Linguística Forense, recém introduzida no Brasil. Trata-se de uma parte de nossa pesquisa de Doutorado em andamento, que tem como tema a atribuição de autoria textual em contextos forenses. Nas últimas décadas, houve um crescimento do interesse de linguistas pelas relações entre a Linguagem e o Direito. Butters (2007, p. 318) salienta que tal interesse, antes restrito à “linguagem legal” por si mesma, expandiu-se na medida em que os linguistas passaram a fazer uso de seus conhecimentos “para ajudar advogados a preparar e apresentar seus casos, e a polícia a processar criminosos e resolver crimes”. Segundo Shuy (2001, p. 691), “cada vez mais advogados e agências governamentais convocam linguistas forenses para ajudá-los a analisar evidências de língua falada ou escrita tanto na esfera civil quanto criminal”. Tal aplicação da Linguística é o que se chama de Linguística Forense. Em sentido lato, a Linguística Forense corresponde à interface entre a Linguística e as questões judiciais e criminais e se preocupa com a análise linguística nestes contextos. Entretanto, numa definição strictu senso, ela é tão somente a aplicação dos conhecimentos linguísticos com vistas ao fornecimento de evidências no âmbito criminal e judicial. Ela é, então, apenas uma parte do campo mais amplo de Linguagem e Direito (Kredens, 2012). A Linguística Forense se ocupa de análises de autoria textual, de identificação de falantes, de crimes de linguagem e de textos cujo significado é “questionável”, ambíguo. Também fazem parte de seu escopo os casos em que seja necessária uma opinião especializada acerca da adequação de advertências presentes em embalagens de produtos, da compreensibilidade de instruções escritas e em casos de disputa de marcas registradas. Nesta ocasião, pretendemos descrever cada um dos interesses da disciplina descritos acima, bem como casos reais em que a Linguística Forense foi empregada, a fim de difundir este importante ramo da Linguística Aplicada, ainda incipiente no Brasil.