logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A(s) Política(s) de Língua presente(s) no dicionário \
Autor(es): Luane Guerra Vitorino . In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave língua , língua , língua morta
Resumo

Nosso objetivo, neste trabalho, é refletir sobre o conceito de língua em sua relação com os conceitos de política de língua, político e memória, tendo como objeto de análise, um instrumento em específico, o dicionário intitulado “Pequeno Dicionário Brasileiro de Língua Morta- Palavras que sumiram do mapa”, de autoria do Jornalista Alberto Villas. Interessa-nos compreender o modo de organização desse dicionário e suas condições de produção, para, então, refletirmos a respeito da significação política da designação “língua morta”. Quais sentidos estão em funcionamento nessa designação? Seriam os dicionários instrumentos de uma língua “viva”? Para o desenvolvimento deste trabalho, que está em fase de inicialização, tomamos como perspectiva teórico-metodológica a Análise de Discurso, criada na França, por Michel Pêcheux e desenvolvida, no Brasil, por Eni Orlandi e demais pesquisadores. Tal disciplina tem como base o discurso, pensado na relação entre o sujeito e a materialidade específica da língua. A análise de discurso faz intervir o político na relação com o simbólico e reflete sobre a língua na história a partir do que constitui. Se consideramos que não há discurso sem sujeito, do mesmo modo como não há sujeito sem ideologia, o discurso é um processo social cuja especificidade está no fato de que sua materialidade é linguística, porque nós não pensamos a língua fora da história e da sociedade (ORLANDI, 1998). É desta forma que analisamos o dicionário em questão, de modo que consigamos compreendê-lo de acordo com suas condições de produção, a influência ideológica e política presentes na sua formação. Orlandi (2007) afirma que a memória e as circunstâncias que mostram os sentidos não estão somente nas suas palavras, mas na sua exterioridade e nas condições em que são produzidos. É por esse viés que buscamos trabalhar com o instrumento em questão: investigando a constituição do instrumento linguístico em foco e o modo como a língua é por ele discursivada.