logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: "Geolinguística": considerações iniciais acerca do termo pela historiografia, terminologia e epistemologia
Autor(es): Selmo Ribeiro Figueiredo Junior. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Geolinguística, Geolinguística, Historiografia
Resumo

O trabalho de que trata esta comunicação tem por objetivo expor uma pesquisa bibliográfica, como base de um estudo historiográfico, terminológico e epistemológico em andamento relativo ao uso do termo "geolinguística" (ou "geografia linguística"). Tal propósito se justifica pela existência de empregos distintos e às vezes até incompatíveis do termo referido - por exemplo, para Iordan (1962), geolinguística seria a representação em cartogramas de repetições topográficas de material linguístico; para Coseriu (1982), seria exclusivamente um método dialetológico e comparativo que pressupõe representação em mapas de formas linguísticas consideradas em sua distribuição espacial; para Aguilera (2004), trata-se de uma subárea da dialetologia, guardadas ainda outras acepções. Com a problemática apresentada, este trabalho pretende: i) organizar a cronologia histórica relativa ao aparecimento e repetição do lexema "geolinguística" (enquanto categoria nominal); ii) estabelecer um quadro terminológico correspondente a i); e iii) explicitar a epistemologiia implicada em ii). Por extensão, considera-se igualmente pertinente abordar o uso do termo "geolinguística contemporânea", pelas mesmas perspectivas mencionadas acima (i, ii e iii). Isso posto, algumas das questões norteadoras da pesquisa são: O termo geolinguística designa: 1) uma (sub)área da linguística? 2) uma (sub)área da dialetologia? 3) um método da dialetologia? 4) simultaneamente uma teoria e um método? 5) ora uma, ora todas essas coisas? Ainda: 6) o que vem a ser a chamada geolinguística contemporânea? 7) há uma geolinguística antiga? 8) diz-se "linguística contemporânea" em oposição aos precursores (Nascentes, Rossi, Serafim Neto)? Para fundamentar nossa discussão e, por consequência, o resultado pretendido de uma sistematização historiográfica, terminológica e epistemológica relativa ao termo geolinguística, a literatura considerada inclui, entre outros e além dos já citados, Alvar (1991), Andrade (2001), Biderman (2010), Brandão (2005), Cardoso (1996), Cristianini e Encarnação (2006), Santos (2009), Santos e Cristianini (2012), Altino (2013), Augusto (2012), Isquerdo (2013), Ramos (2013), Soares (2012), Oliveira e Isquerdo (2001), Dascal e Borges Neto (1991), Cavalieri (2013), Orlandi (2001), Badaró (2005), Kuhn (1997), Bombassaro (1992), Lakatos e Musgrave (1979), Oliva (1990), Alves (1992), Altman (2012), Mourin (1970). Este estudo está subordinado a um projeto de pesquisa de doutoramento de natureza geolinguística, no âmbito da USP, no programa Filologia e Língua Portuguesa.