logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Construções adverbiais qualitativas no português contemporâneo
Autor(es): Fernanda Beatriz Viana Gomes. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 25/02/2024
Palavra-chave Linguística Funcional Centrada no Uso, Linguística Funcional Centrada no Uso, Construcionalização
Resumo

Esta pesquisa objetiva analisar as tendências de ordenação de construções adverbiais qualitativas, bem como seu grau de composicionalidade e analisabilidade, identificando possíveis construções de valor modalizador, como na passagem de de certo > decerto (MARTELOTTA, 2008). Observamos se as construções do tipo Prep + SN assemelham-se aos resultados obtidos em Moraes Pinto (2008) e em Martelotta & Castagnino (2011). Moraes Pinto (2003; 2008) constatou que os advérbios estudados deixaram de preencher posições pré-verbais (cf. MARTELOTTA, BARBOSA E LEITÃO (2002); MARTELOTTA (2004); MARTELOTTA E BARBOSA (2007)) e assumiram posições pós-verbais, numa análise de mudança de ordenação e semântica do português arcaico ao contemporâneo. Martelotta & Castagnino Neto (2011) analisaram a ordenação das locuções adverbiais qualitativas em textos portugueses dos séculos XVI e XVII e seu desenvolvimento a partir dos elementos estruturais que apresentam, e encontraram ocorrência crescente das locuções em posição pós-verbal (VA): séc.XVI = 60%; séc.XVII = 89%. Os pressupostos teóricos desta pesquisa (em fase inicial) baseiam-se na Linguística Funcional Centrada no Uso (BRINTON E TRAUGOTT, 2005; TRAUGOTT, 2008; BYBEE, 2010; MARTELOTTA, 2011). Essa corrente postula que a língua, como instrumento de interação social, deve ser investigada além da estrutura gramatical, e busca nos contextos discursivos as motivações para os usos. Bybee (2010) propõe que a linguagem é resultado de processos e habilidades cognitivas gerais que ampliam o contexto comportamental humano e, consequentemente, os contextos linguísticos de uso. O corpus aqui analisado foi levantado do livro Amor é vida (Frei Fracasso). Para Givón (1991), a noção de modo é uma extensão do sentido de instrumento (ex.: viver do trabalho). Para Said Ali (1971), é uma extensão do sentido de meio, mas também pode se estender das ideias de espaço (agir dentro da lei; trabalhar sob pressão) e estado (dividir em dois). As locuções adverbiais qualitativas aqui analisadas podem ser tratadas como construções, segundo os termos de Traugott (2008) sobre padrões construcionais das línguas, por fazerem parte de um plano mais genérico composto por construções mais abstratas, isto é, macro-construções, refletindo, assim, esquemas de alto nível. As macro-construções apresentam, segundo Martelotta (2008), uma estrutura morfossintática básica que caracteriza um conjunto de construções de comportamento semelhante em termos de forma e sentido. Este trabalho, portanto, procura analisar as características morfossintáticas, os processos de construcionalização associados a fenômenos semânticos, pragmáticos e discursivos e os fatores que se relacionam às tendências de ordenação das construções adverbiais qualitativas no português contemporâneo.