logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Interpretando perfis resultantes de estudos quantitativos: polêmicas e respostas
Autor(es): Elaine Chaves. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Português Brasileiro, Português Brasileiro, Preposições
Resumo

Vários estudos sobre o português brasileiro identificaram a segunda metade do XIX como um momento em que várias mudanças sintáticas ocorreram. As diferenças verificadas através de suas análises quantitativas não deixam dúvidas sobre a existência de alterações radicais nos perfis das várias construções. Assim, este período passou a ser interpretado como o momento da emergência da gramática do Português Brasileiro (cf. TARALLO, 1993). No entanto, os primeiros estudos desenvolvidos acerca desta nova gramática, ainda na década de 1980, foram alvo de críticas sobre o fato de fazerem predições sobre a fala a partir da escrita (OLIVEIRA, 2005); de extraírem conclusões sobre mudança a partir da comparação entre escrita e fala (CASTRO, 1996) e de não darem tratamento equânime ao PB e PE (CASTRO, 1996). Apesar dessas críticas terem especializado o tratamento metodológico utilizado pelos trabalhos subsequentes, a adoção dessas novas diretrizes nem sempre foi feita com o objetivo de confrontar os resultados anteriores e pensar o que essa mudança metodológica significou para a qualidade desses resultados. Apenas Duarte, Kato, Cyrino e Berlinck (2006) se dedicaram a esta tarefa. Este será o objetivo deste trabalho. Constituímos por meio dessas três críticas um conjunto de critérios que nortearam a seleção de dados e contribuíram para a interpretação dos resultados. Esses critérios estão baseados nos recursos teórico-metodológicos da Sociolinguística Quantitativa. Reunimos amostras simétricas, para o Português Brasileiro (PB) e para o Português Europeu (PE), compostas apenas por textos manuscritos (cartas pessoais), identificados, quanto a sua autoria e nacionalidade, e datados, da segunda metade do século XVIII até a segunda metade do século XIX. Partimos de um fenômeno que vem sendo identificado como típico do PB: a diminuição do uso da preposição [a] em complementos verbais cliticizáveis em detrimento de um aumento no uso das preposições [para] e [em]. As curvas encontradas para o PB foram comparadas sincrônica e diacronicamente com as curvas encontradas para o PE. Utilizamos o artigo de Tarallo (1993) como uma amostra das críticas acima referidas e confrontamos os nossos resultados aos apresentados por ele. Como resultado, obtivemos curvas muito próximas às apresentadas nos trabalhos citados por Tarallo. Este resultado nos permitiu mostrar que, embora as críticas sejam pertinentes e as diretrizes metodológicas necessárias, as descrições feitas pelos trabalhos da década de 1980 constituem base importante para a interpretação de fenômenos linguísticos característicos do Português Brasileiro.