logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Plus size no blog Mulherão: descontinuidades discursivas do “corpo ideal”
Autor(es): MICHELLE APARECIDA PEREIRA LOPES. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave discurso, discurso, plus size
Resumo

Este trabalho objetiva investigar os usos do termo plus size pelo mercado da moda e pelas mídias visando compreender em que medida esse uso colabora, e como colabora, para descontinuar o discurso do “corpo ideal” legitimado pela medicina. O corpus selecionado é o blog de acesso público chamado “Blog Mulherão”, <http://mulherao.wordpress.com/>, no qual o termo plus size aparece frequentemente. O corpo objetivado como “gordo” do século XIX ao século XX é aquele que, segundo a medicina, resulta de um distúrbio alimentar sendo, portanto, tachado de patológico. O discurso da medicina sustentou o emergir de outros e a idealização do corpo “magro” adentrou as mídias, o esporte, a publicidade e a moda. Essa malha discursiva, ao longo dos dois séculos, acabou por objetivar os sujeitos em “magros” e “gordos” atribuindo valores de salubridade, sensualidade e beleza aos primeiros e valores opostos aos segundos. O “corpo gordo” passou a ser rechaçado e inaceitável aos padrões estéticos. No entanto, podemos observar neste limiar do século XXI uma mudança: o termo plus size tem aparecido para nomear o corpo considerado com excesso de peso. Inicialmente usado pela estilista norte-americana Lane Bryant para nomear roupas confeccionadas para mulheres grávidas na década de 1930, o termo plus size reapareceu nos anos 2000 e desde então vem aparecendo no discurso midiático, publicitário e da moda qualificando roupas, desfiles, modelos, etc. O termo nos parece uma resposta ao olhar da medicina e da patologia que sustentou, durante anos, o corpo “magro” como o ideal estético. Nesse sentido, estaríamos vivenciando certa descontinuidade no discurso da medicina? Parece-nos também que o uso do termo estabelece “novos” valores para o corpo “gordo”: a elegância, a beleza e a até mesmo a sensualidade e/ou erotização. Poderíamos considerar que estamos passando por uma suavização dos discursos atribuídos ao “gordo”, deslocando um discurso posto pela medicina ao longo do século XX? Para responder esses questionamentos, lançamos mão do arcabouço teórico-metodológico da Análise do Discurso, no Brasil dita francesa. Nela encontramos os estudos de Foucault e de Courtine sobre as relações de poder que imperam sobre o corpo e acabam, ao longo dos tempos, produzindo objetivação. Também nos apóiam os estudos do primeiro filósofo sobre as descontinuidades discursivas. Procuramos na teoria, portanto, respaldo que possa nos levar a afirmar que o uso do termo plus size rompe o discurso institucionalizado e estabelece novos sentidos para o corpo “gordo”.