logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A construção e a reativação de objetos-de-discurso em textos de universitários
Autor(es): Antonia Alves pereira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave Referenciação, Referenciação, Ensino
Resumo

Este trabalho tem como objetivos discutir como são construídos e como são introduzidos objetos-de-discurso em textos escritos de alunos do PARFOR-Letras Língua Portuguesa da Universidade (identificação da universidade). Nossa pesquisa se pautou na análise de textos do gênero acadêmico na modalidade escrita. O PARFOR é um programa de formação de professores que já atuam na Educação Básica. É destinado para aqueles professores que ainda não possuem nível superior ou, no caso de possuírem nível superior, atuam em área diferente daquela de sua formação superior. Os pressupostos teóricos adotados aqui são aqueles segundo os quais língua/linguagem é resultante de atividade discursiva e os objetos-de-discurso são construídos no discurso durante a interação entre os interlocutores com o objetivo de atender seus propósitos comunicativos. Assumimos, aqui, que os objetos-de-discurso não são simples representações do objeto mundano, uma vez que a representação desse objeto depende da vivência e, consequentemente, da cultura de cada um dos envolvidos no evento comunicativo, tendo, portanto, representações distintas. Inicialmente, procuramos identificar as estratégias empregadas na construção de objeto-de-discurso, e na sequência como objetos-de-discurso são reativados. Partindo dos pressupostos teóricos adotados nesse trabalho, procuramos explicar as estratégias de construção e reconstrução de objeto-de-discurso adotadas nos textos desses alunos. Nossa análise demonstra que esses alunos ainda se apropriam de estratégias próximas àquelas empregadas em textos de natureza informal, tanto na construção do objeto de discurso quanto na retomada ou reativação de objeto de discurso. No primeiro caso, há um forte apoio em elementos co-textuais, bem como em elementos contextuais, sendo o conhecimento partilhado um dos elementos que mais contribuem para a introdução de objetos de discurso novos como se fossem conhecidos do interlocutor. Na reativação de objeto-de-discurso, constatamos que formas já introduzidas no texto, portanto formas velhas, são empregadas como formas novas. Observamos também o contrário: formas que são introduzidas no texto pela primeira vez como se já fossem conhecidas do interlocutor.