logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A variedade do português falada pelos índios Kaiowá (Guarani)
Autor(es): Valéria Faria Cardoso. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Português de contato, Português de contato, Linguística de Contato
Resumo

Pretende-se com a exposição do presente trabalho realizar uma breve descrição da variedade do português falado por índios kaiowá/guarani, o qual, devido à situação de contato linguístico, tem características tanto da variedade do português do Brasil quanto da língua kaiowá (guarani), línguas tipologicamente distintas. O contato de línguas faz parte da história linguística e social da maioria das comunidades do mundo e o que diversifica os contatos de línguas são os contextos sociais em que ocorrem as coabitações linguísticas, assim como os produtos gerados por essas coabitações (Appel e Muysken, 2005). O kaiowá é tido como dialeto guarani, língua pertencente ao subgrupo I da família tupi-guarani, tronco tupi (Rodrigues, 1994) que, junto ao nhandewa e ao mbyá, no Brasil, constituem o ‘guarani atual’. Esta língua, por sua vez, não pode ser estudada em sua plenitude, senão tratando fundamentalmente de cada variedade em específico, portanto, tratamos aqui da língua kaiowá (guarani). Os falantes kaiowá/guarani vivem em comunidades indígenas no Centro-Oeste brasileiro, numa região fronteiriça com o Paraguai. Considerando especificamente a situação de contato entre as línguas – o português e o kaiowá (guarani), levantamos as variáveis sócio históricas envolvidas, para então, buscarmos descrever os efeitos linguísticos manifestos nos planos fonético-fonológicos, morfossintáticos, lexicais e semânticos do português de contato dos kaiowá/guarani. Pontua-se, ainda, que atualmente não se pode asseverar sobre o grau de contato entre o português e a grande maioria das línguas indígenas brasileiras, tendo em vista que algumas dessas línguas ainda carecem de estudos linguísticos e antropológicos, bem como, são, em menor número, os estudos que se ocupam desse tipo de situação de contato linguístico. Tal fato levou-nos a tratar de uma das situações de contato linguístico vivenciado ainda hoje no Brasil. No caso, o contato entre a língua guarani e a portuguesa, que coexistem nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste brasileiras.