logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Propriedades tipológicas de alçamento de SN argumental e suas implicações para o reconhecimento do fenômeno no PB
Autor(es): Gustavo da Silva Andrade, Sebastião Carlos Leite Gonçalves. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Alçamento, Alçamento, Sujeito
Resumo

‹‹Alçamento›› é definido na literatura como a ocorrência de SN argumental do predicado da oração encaixada nos limites da oração matriz, com consequente ajuste de caso e de concordância neste domínio e redução da encaixada à forma infinitiva (NOONAN, 2007; GARCIA VELASCO, 2013). A primeira motivação para investigação desse fenômeno parte de um projeto maior de descrição funcional de Orações Subjetivas na história do português, por meio do qual temos constatado que esse tipo oracional, por se tratar de construção impessoal, é o que mais propicia manifestação de Alçamento a sujeito. A segunda motivação deve-se ao fato de o fenômeno ter constituído objeto de investigação privilegiado mais de formalistas (KATO; MIOTO, 2000; MARTINS; NUNES, 2005; dentre outros) do que de funcionalistas (MITTMANN, 2006; GÖRSKI, 2008;). Assim, nosso objetivo mais amplo é oferecer, sob perspectiva funcionalista, um quadro tipológico de construções de alçamento do português brasileiro (PB), a partir de dois importantes trabalhos de natureza tipológica: o de Noonan (2007 [1985]), sobre subordinação, e o de Serdol’boskaya (2006), específico sobre Alçamento. Interessam, nesta apresentação, dois tipos de Alçamento, atestados no PB com base em propriedades tipológicas: (i) Alçamento de Sujeito a Sujeito, como em “o cara num parece tê setenta anos de idade” (= o cara ter setenta anos) e “o namoro é difícil pra andá pra frente (= o namoro andar pra frente); e (ii) Alçamento de Objeto a Sujeito, como em “toalha é compliCAdo pa caramba pa dobrá (= dobrar toalha)” e “o serviço é difícil arranjá” (=arranjar o serviço). Nesta comunicação, avaliamos se critérios de base tipológica são necessários e suficientes para identificação e descrição de casos ocorrentes no PB semelhantes ao acima apresentados. Para tanto, aplicamos parâmetros morfossintáticos (traços de concordância do SN, finitude da encaixada), semânticos (tipo de predicado matriz, referencialidade e animacidade do SN) e pragmáticos (topicalidade e fluxo informacional do SN) a dados extraídos de amostras do português falado no interior paulista (GONÇALVES, 2007). Até o momento, nossas análises tem nos conduzido ao entendimento de que nem todos os critérios tipológicos se aplicam consistentemente ao PB, sob o risco de exclusão do fenômeno de casos típicos de SN alçado que não apresentam redução da oração encaixada e/ou ajustes morfossintáticos nos limites da matriz, o que apontaria para dois prognósticos: a compatibilidade do fenômeno também com encaixada na forma finita e a necessidade de incorporação à sua definição também de propriedades semântico-pragmáticas.