logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: “eu acredito que não vai mudar mas eu tenho é certeza que não vá mudar”: a variação indicativo/subjuntivo no português paulistano (SP) e ludovicense (MA)
Autor(es): Wendel Silva dos Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Variação Subjuntivo e Indicativo, Variação Subjuntivo e Indicativo, Português Ludovicense
Resumo

Com base nos pressupostos teórico-metodológicos da Sociolinguística Variacionista, este trabalho, recorte de uma pesquisa mais ampla de mestrado que vem sendo desenvolvida, se propõe a investigar o emprego da morfologia do subjuntivo e da morfologia do indicativo na expressão do modo subjuntivo, no português falado em São Paulo (SP) e em São Luís (MA), em sentenças como “é difícil fazer ações sociais... eu acho que as pessoas às vezes até querem, mas não conseguem (F51SN)” e “[...] que por esse problema na perna a gente não queria que ela voltasse a trabalhar” (F21MPN). A partir de uma amostra da fala paulistana (12 entrevistas gravadas e transcritas pelo GESOL-USP) e da fala ludovicense (12 entrevistas gravadas e transcritas entre fevereiro de 2012 a janeiro de 2013), esta pesquisa pretende examinar quais variáveis linguísticas e sociais que se correlacionam à seleção das variantes, nos contextos em que se apresentam como formas opcionais. Analisa-se, entre as variáveis sociais, sexo/gênero, idade e escolaridade dos sujeitos participantes do estudo – já que, dada a proposta desse trabalho, a comparação entre os usos em duas capitais é central. Entre as variáveis linguísticas, analisa-se tempo verbal, tipo de oração, modalidade, grau de afirmação, classe semântica do verbo principal, tipo de subordinador – observa-se que esses fatores estruturais têm sido aqueles cuja relevância vem sendo atestada em diferentes trabalhos (cf. PIMPÃO, 2009; CARVALHO, 2007). O controle quantitativo dos dados será feito por meio do pacote estatístico GoldVarb X. Resultados preliminares revelam que, entre os fatores sociais, faixa etária foi aquele que se mostrou estatisticamente relevante, com indicativo de mudança em tempo aparente; entre os fatores linguísticos, cita-se tempo verbal e tipo de subordinador como os mais expressivos. Além da descrição da variável enfocada, este estudo pretende contribuir para a descrição de duas comunidades de fala, bem como para a discussão desse conceito, tão central em Sociolinguística.