logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A individuação do sujeito pelo Estado: que processos identitários estão na base da constituição do sujeito travesti?
Autor(es): Lidia Noronha Pereira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Individuação, Individuação, Corpo
Resumo

Pensando no Processo de Subjetivação proposto por Orlandi (2011), o trabalho proposto buscará refletir sobre o processo de individuação, pelo Estado, no qual o sujeito travesti é atravessado e significado por instituições governamentais. Dessa forma, filiados ao campo teórico da Análise de Discurso, questionamos aqui como o sujeito travesti se significa e se individua pelo Estado a partir de dois cartazes confeccionados e distribuídos pelo Ministério da Saúde. Conforme Orlandi (2011), temos uma rede de sentidos que permeiam a memória e os fatos acontecidos em uma relação política entre o Estado, o sujeito e a sociedade. Ainda serão necessárias contribuições da Filosofia e da Psicanálise, uma vez que buscamos discutir a relação discursiva entre corpo, saber e poder, proposto por Foucault (1988), bem como a sexualidade do sujeito travesti, a partir dos estudos de Millot (1992), respectivamente. Com isso, tomaremos tais cartazes como gesto de memória de um Estado, sendo um discurso que individua, que remete o sujeito a um processo de identificação, a uma posição sujeito na sociedade. De circulação nacional, anexados às unidades de Sistema Único de Saúde – SUS, estes cartazes fazem parte de programas governamentais no combate a AIDS e demais doenças sexualmente transmissíveis, sendo suas veiculações periódicas, cujas inscrições demarcam um território, um espaço histórico, simbólico e geográfico institucionalizados no qual se impõe uma identificação ao sujeito enquanto seu cidadão. Interessante observar que, concebemos aqui, a imagem do sujeito travesti como a sua forma corporal material, sua inscrição no simbólico e os discursos que nela estão inseridos - não apenas uma imagem impressa em formato cartaz, mas os sentidos para o gesto de interpretação do corpo que vão significar nos processos de identificação do sujeito travesti. Assim, pretendemos analisar como o sujeito travesti se inscreve, pela sua simbolização em dois cartazes de circulação nacional e pública marcados pelo gesto administrativo aí significados, propondo reflexões que possibilitem uma ruptura do já dito sobre o sujeito travesti.