logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A construção completiva com ser + preciso
Autor(es): Dayane Alves Wiedemer. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Funcionalismo, Funcionalismo, Oração completiva
Resumo

Neste painel, pretendemos apresentar os resultados iniciais de pesquisa acerca da construção completiva com verbo ser + preciso, que é constituída de uma oração matriz (verbo (ser) + predicativo (preciso)) + uma oração completiva com função de sujeito sintático. A oração matriz com ser + preciso é uma estrutura linguística relacionada à modalidade deôntica, que se encontra no eixo da conduta e expressa os valores de obrigação, podendo ser moral, interna e ditada pela consciência ou obrigação material, externa, social e ditada pelas circunstâncias (NEVES, 1996). Embora haja sujeito oracional expresso, o falante faz uma leitura diferenciada da forma sintática unipessoal (estrutura predicadora em 3ª pessoa do singular) expressa na oração matriz, dando um matiz semântico impessoal à estrutura predicadora, que é alçada à posição inicial da construção. Assim, com este recurso, o falante pode contrastar a informação da construção completiva impessoal com o entorno discursivo (em 1ª. e 3ª. pessoas do plural), minimizando a própria participação no evento e poderá se descomprometer da informação veiculada (NEVES, 1996). Além disso, observaremos como se dá a realização do verbo da oração completiva, se nas formas verbais finitas de indicativo ou subjuntivo ou se nas formas de infinitivo. A escolha pode representar o comprometimento/controle do sujeito sobre o outro na participação do evento (DIAS, 2013). Para compor o corpus de análise, foram coletados dados, meses de setembro e outubro de 2013, dos seguintes jornais: Folha de São Paulo e O Globo, ambos disponíveis em seus respectivos acervos digitais. A escolha dos jornais se deve ao tipo de linguagem mais utilizada e a escolha da seção, “artigo de opinião”, deve-se ao forte teor argumentativo, já que, em outros gêneros investigados, não foram encontrados dados significantes para avaliação, como em editoriais e economia. A análise aqui empreendida se apoia nos pressupostos teóricos do Funcionalismo americano.