logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Estratégias de escrita e suas práticas em adaptações de clássicos da Literatura Brasileira para o público infanto-juvenil: uma análise discursiva das obras Senhora e A escrava Isaura
Autor(es): Jéssica de Oliveira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Práticas de leitura na contemporaneidade, Práticas de leitura na contemporaneidade, História cultural da leitura
Resumo

As adaptações de clássicos da literatura ocupam um lugar significativo no mercado livreiro, atualmente, encontramos uma variedade dessas adaptações que se apresentam para atender finalidades específicas de leitura, principalmente aquelas voltadas para o público infanto-juvenil. O nosso trabalho de pesquisa que ora apresentamos foi conduzido a partir do objetivo de traçar certos aspectos do perfil do leitor para o qual se destinam as adaptações de clássicos da Literatura Brasileira, a saber, que se destinam ao público leitor jovem em fase escolar, e que é pressuposto pelos editores quando da formulação de uma linha editorial como a que compõe nosso corpus de pesquisa. Por ora analisamos, a saber, duas destas obras, Senhora, de José de Alencar, e A Escrava Isaura, de Bernardo Guimarães, ambas da editora Rideel. Realizamos as análises valendo-nos metodologicamente da comparação dos textos para obtenção e avaliação dos dados, cotejando tanto as obras integrais com as suas respectivas adaptações, quanto comparando uma adaptação às outras, levantando assim as estratégias editoriais mais frequentemente empregadas na adaptação/condensação dos textos originais, a fim de apreendermos algumas projeções de práticas de leitura e de competências leitoras pressupostas nesse processo editorial. Para a análise a que nos propusemos, apoiamo-nos especialmente em princípios teórico-metodológicos da Análise de Discurso, no que concerne a sua abordagem das formas de produção dos textos e de sua consequente interpretação, assim como nos mecanismos que fornece para a compreensão dos efeitos de sentido produzidos pelo emprego de certas estratégias de escrita (escolhas lexicais, estruturas frasais, recorrência em estruturas textuais suprimidas tais como o enxugamento de descrições, inserção de imagens, etc.). Apoiamo-nos ainda em alguns princípios da História Cultural concernentes aos estudos sobre a leitura, em especial com base nas considerações de Roger Chartier, que vem se ocupando da história da leitura a partir da análise dos objetos culturais que portam textos.