logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Assimetrias na harmonia vocálica em português do Brasil
Autor(es): Filomena Sandalo, Maria Bernadete Marques Abaurre. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave vogais, vogais, teoria da dispersão
Resumo

Uma assimetria no fenômeno de harmonia vocálica do português do Brasil observada em Abaurre & Sandalo (2009) diz respeito ao comportamento do /a/, que não provoca harmonia de baixa nas pretônicas em variedades de Belo Horizonte, Vitória e Goiânia. Kenstowicz & Sandalo (2009), no entanto, encontraram evidência dessa harmonia na variedade de Recife, onde as pretônicas /e, o/ podem sofrer abaixamento antes de /a/ tônico (cf. ‘pelado’, ‘colada’, ‘selada’). Sandalo, Abaurre & Madruga (2013) observam que a vogal /a/ é gatilho de harmonia de pretônicas também em Porto Alegre, mas não em Salvador, onde o abaixamento nas pretônicas parece ser resultado de outros processos. Nesta comunicação, buscaremos entender o comportamento da vogal /a/ na tônica como gatilho ou não de harmonia em PB. À luz da Teoria da Dispersão (Flemming 1995, 1996, 2001), nossa hipótese é de que o comportamento fonológico do /a/ em relação a sua participação em harmonia é dependente da dispersão acústica desta vogal com relação ao sistema vocálico do qual faz parte. Assumimos com Flemming que um espaço acústico mais aglutinado minimiza a percepção dos contrastes e, com Walker (2005), que harmonia de altura é uma estratégia de realce para maximizar contrastes de altura. Assim, propomos que a função da harmonia em Recife e Porto Alegre é realçar a qualidade baixa do /a/, uma vez que os contrastes de altura foram minimizados na diminuição do espaço vocálico nestes sistemas. Ou seja, quando há uma maior distância fonética entre espaços de contraste (i.e. o /a/ se encontra bastante mais baixo, na ponta do triângulo acústico em relação às outras vogais), não há harmonia com /a/. Por outro lado, quando a distância fonética entre espaços de contraste é menor (i.e. o /a/ se encontra mais aglutinado às alturas das outras vogais baixas, com os espaços acústicos das vogais baixas mais aglutinados), há harmonia com /a/.