logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: O papiamentu e o caboverdiano: possíveis aproximações
Autor(es): Shirley Freitas Sousa, Gabriel Antunes de Araujo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Papiamentu, Papiamentu, Origem comum
Resumo

Nesta apresentação compararemos vocábulos do papiamentu (de Curaçao) e do kabuverdianu de Santiago (Cabo Verde) com os objetivos de (i) observar se há similaridades e (ii) verificar em que aspectos as duas línguas diferem, buscando elaborar um padrão das mudanças. Esse estudo justifica-se na medida em que permitirá que se conheçam os aspectos compartilhados por essas línguas, o que pode apontar para uma origem comum, favorecendo uma das hipóteses acerca da origem do papiamentu, posto que ainda hoje, muito se discute sobre esse tema, não se tendo chegado a um consenso. Uma dessas hipóteses aponta para as similaridades com o kabuverdianu de Santiago, sugerindo uma origem comum (cf. MARTINUS (1996) e JACOBS (2012)). Para a análise, foi formado um corpus do papiamentu (PP) com palavras de étimo ibérico extraídas de Maduro (1953a, 1953b, 1966a, 1966b, 1966c), compiladas por Freitas (2012). Em seguida, esses vocábulos foram comparados com seus correspondentes em kabuverdianu de Santiago (CV) (cf. LANG et alli, 2001). A partir da análise, constatamos que as duas línguas compartilham itens lexicais, como abri/habri (PAP) e abri (CV) ‘abrir’; chukulati (PP) e xukuláti (CV) ‘chocolate’. Essa semelhança, porém, se dá também no âmbito das palavras funcionais, como aínda/eínda/índa (PP) e ainda/inda (CV) ‘ainda’; bo (PAP) e bo (CV) ‘pronome de 2ª pessoa do singular’. Nas palavras de étimo português, as diferenças entre as duas línguas em geral são sistemáticas, devido aos seus padrões diversos e podem ser explicadas por padrões regulares. É o caso de (i) tonicidade dos verbos com mais de duas sílabas, oxítonos em PAP e paroxítonos em CV: arnegá (PAP) e ranega/renega (CV) ‘renegar’; (ii) terminação <do> de adjetivos e particípios deverbais e sufixo -eiro, que sofrem apócope em PAP e se mantém em CV: bandoná (PAP) e bandonádu (CV) ‘abandonado’; karpinté (PP) e karpinteru (CV) ‘carpinteiro’. Observamos ainda casos em que as duas línguas diferem pelo fato de o papiamentu possuir uma forma proveniente do espanhol (ou do holandês) e o kabuverdianu de Santiago ter uma forma do português: aleu (PAP) e lonji (CV) ‘longe’. Em suma, com este estudo, pôde-se perceber que o vocabulário, lexical e funcional, das duas línguas compartilham semelhanças que não podem ser atribuídas ao acaso (o que favorece a hipótese da origem comum), com o kabuverdianu de Santiago se aproximando mais do português do que o papiamentu, que possui influências das outras línguas com as quais está em contato, como o espanhol.