logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: O tema de redação do ENEM: como des-ligar os sentidos?
Autor(es): Stella Maris Rodrigues Simões. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave sentido, sentido, ENEM
Resumo

Refletiremos, no interior do quadro teórico e metodológico da Análise de Discurso de linha francesa, sobre os gestos de leitura e de escrita aos quais o sujeito-aluno é chamado em uma prova de redação. Ter como objeto o discurso é pensar no funcionamento do simbólico, do político, da historicidade, e considerar a variança, o deslocamento, os efeitos metafóricos. Contudo, considera-se também o silêncio como constituinte da significação. O que não é dito, silenciado, apagado, “faz sentido” como o já-dito, o repetido, a memória: materialidades distintas inscritas como práticas e estratégias discursivas de dizer e silenciar. Escolhemos como espaço de reflexão o Exame Nacional do Ensino Médio, e recortamos para análise a formulação do tema apresentado ao aluno na prova de redação. Discutiremos sobre a estrutura do tema e como os sentidos se significam na formulação; estrutura filiada de modo direto à memória oferecida na coletânea textual, em que textos são atados como unidade do já-dito, funcionando como um bloco-de-memória a sustentar a função de autoria. Fugindo ao domínio morfossintático, tomaremos a pontuação característica do tema de redação do ENEM como marca discursiva, em que funciona o dizer e o silenciar dos sentidos já circulantes na coletânea textual. Refletiremos sobre a presença de duas marcas que encerram a formulação: o ponto final (.) e o sinal de interrogação (?); e sobre os dois pontos (:), sinal que aparece no interior do tema, ligando suas partes. Há, assim, duas estruturas nas quais os sentidos ganham forma: a frase declarativa e a frase interrogativa, ocorrendo também uma expressão apositiva, marcada por (:), no interior de várias delas, estruturas que serão analisadas discursivamente como (im)possibilidades do dizer. Além de se pensar no recorte dado ao discurso no funcionamento da pontuação, analisaremos outro mecanismo recorrente na estrutura do tema de redação do ENEM: a coordenação de enunciados nominais; buscando assim, não a análise dos termos que se coordenam, mas discutindo “como a ligação entre eles se faz possível”. No movimento de confronto instaurado ao “olhar o objeto”, pensamos no dizer e no silenciar que o significam, mas que também são significados nele (e por ele). Gestos que - mesmo cristalizados como antagônicos- parecem não disputar o espaço de significação, mas, ao contrário, parecem estar adicionados, unidos em estabilidade pela conjunção “e”, e pelos muitos sentidos ditos e silenciados que circulam na nação brasileira; no “nacional” do exame.