logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A unidade lexical “bolita” no Mato Grosso do Sul: perspectiva geolinguística
Autor(es): Beatriz Aparecida Alencar. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 25/02/2024
Palavra-chave DIALETOLOGIA, DIALETOLOGIA, MATO GROSSO DO SUL
Resumo

A Dialetologia é uma área de estudo que “tem por tarefa identificar, descrever e situar os diferentes usos em que uma língua se diversifica, conforme a sua distribuição espacial, sociocultural e cronológica” (CARDOSO, 2010, p.15). Para isso, a Dialetologia utiliza como método a Geolinguística para melhor descrever a variação da língua num determinado território. Entre os trabalhos realizados pela disciplina, destacam-se os Atlas Linguísticos; cujo principal representante é o projeto Atlas Linguístico do Brasil, que visa descrever a Língua Portuguesa vigente em território nacional. Em Mato Grosso do Sul, os caminhos da Geolinguística começaram a ser trilhados a partir do Atlas Linguístico do Município de Ponta Porã - MS: um registro das línguas em contato na fronteira do Brasil com o Paraguai (REIS, 2006). Nesse atlas e em outros produzidos no estado, observamos que algumas peculiaridades dialetais se repetem em diferentes trabalhos; no caso, destacam-se, as cartas lexicais sobre “bolita”. Sendo assim, este trabalho propõe-se a analisar um recorte léxico-semântico dos dados cartografados para “as coisinhas redondas, de vidro, com que os meninos gostam de brincar”, em que “bolita” foi a variante recorrente nos diferentes atlas linguísticos produzidos em MS, além de cotejar os dados sob o viés da Dialetologia e Geolinguística, com vistas a investigar as motivações histórico-sociais que determinam seu uso. Com vistas a esse objetivo, estabeleceram-se comparações dialetais com relação a outros trabalhos dialetológicos que cartografaram a referida variante, são eles: o Atlas Linguístico-contatual da Fronteira entre Brasil/Paraguai - BR PY (REIS, 2013), cartas nº 039.a, 039.b, 039.c, 039.d; o Atlas Linguístico de Corumbá e Ladário (ALENCAR, 2013), cartas nº 177 e 178; o Atlas Linguístico do Mato Grosso do Sul (OLIVEIRA, 2007), cartas nº 0461.a e o Atlas Linguístico de Ponta Porã (REIS, 2006) carta nº 218. Pontuamos que, além de a unidade lexical assinalada ser a mais produtiva dentre os designativos para o objeto nos Atlas produzidos em MS, sua ocorrência se mostra representativa nas diferentes regiões do estado, concorrendo, em algumas localidades, com itens lexicais locais como: bolinha de gude, biroca ou burquinha, entre outras. Como resultado do estudo, verificou-se, pois, as relações existentes entre o léxico e a sociedade na interação homem e ambiente, por meio da análise do item lexical “bolita” e sua presença em diferentes regiões já contempladas com estudos dialetais no estado, confirmando a importância dos estudos geolinguísticos em Mato Grosso do Sul.