logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Carnet das Jovens: o caráter normativo do Jornal das Moças na década de 1950
Autor(es): Bruna Ximenes Corazza. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave identidade feminina, identidade feminina, história das mulheres no Brasil
Resumo

Este trabalho pretende apresentar uma pesquisa de iniciação científica em andamento, de natureza qualitativa/interpretativista, cujo objetivo é investigar e discutir aspectos da construção/representação da identidade feminina e das relações de gênero nos “anos dourados” (década de 1950), tal como elas emergem em Jornal das Moças, umas das revistas semanais mais lidas nesse período. É sabido que as revistas femininas, personificadas em “amigas conselheiras para todas as horas”, não apenas influenciaram o comportamento feminino, mas também construíram a moral, os bons costumes e os valores dominantes da época (BASSANEZI, 1997). Os “anos dourados” constituíram um período de grandes transformações sociais e políticas e a análise discursiva de matérias do Jornal das Moças nos permite, não apenas adentrar a mentalidade hegemônica da época e verificar as diferenças entre os papéis masculinos e femininos para aquela geração, mas também perceber que essas representações estão, em muitos aspectos, ainda presentes na sociedade atual. Para compor o corpus da pesquisa foi selecionada a coluna Carnet das Jovens, escrita por Dorothy Dix (pseudônimo usado pela jornalista americana Elizabeth Meriwether Gilmer), traduzida e veiculada entre os anos 1950 e 1954. Essa coluna tinha por objetivo explícito ditar regras de comportamento feminino relativas à vida no lar, à felicidade conjugal, à sexualidade, ao trabalho e à amizade, dentre outros assuntos de “interesse” das moças. Em um total de 89 matérias dos Carnet, foram selecionados 51 para exame. A análise do corpus documental foi feita através de imagens digitalizadas disponíveis no site da Hemeroteca Digital Brasileira. O amparo teórico utilizado na análise dos dados incluiu, dentre outros, os conceitos de representação discursiva (HALL, 1997 e SILVA, 2000), identidade de gênero (LOURO, 2003) e história das mulheres no Brasil (BASSANEZI, 2012). Percebeu-se que o modelo de mulher ideal veiculado pela coluna Carnet conjuga os ideais de “rainha do lar’, de “esposa compreensiva” e de “mãe amorosa”, tripé de qualidades que deveria ser intrínseco à mulher dos “anos dourados”. A expectativa é que os resultados do estudo aqui descrito forneçam subsídios para que professores de língua portuguesa possam focalizar, em suas aulas de leitura, a questão da mudança, ou não, da construção discursiva da identidade feminina e das relações de gênero ao longo do tempo, questões essas que, ao nosso ver, devem fazer parte das políticas curriculares do espaço escolar.