logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: O filme musical em cena: análise dialógica de Les Misérables
Autor(es): Nicole Mioni Serni. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Diálogo, Diálogo, Cinema
Resumo

O presente trabalho reflete sobre a especificidade do filme musical a partir dos estudos do Círculo Bakhtin, Medvedev, Volochinov e tem como corpus definido o filme Les Misérables (2012), de Tom Hooper. A pesquisa tem como objetivo investigar a constituição da arquitetônica do filme musical como tipo peculiar do gênero cinema, assim como analisar os diálogos entre o filme escolhido e outras obras de teatro e cinema inspiradas no romance de Victor Hugo, com o qual o corpus também dialoga. A reflexão acerca do diálogo no interior da construção do cinema, que possui, em sua composição, outros gêneros (música, canção, dança, fotografia etc), é relevante para os estudos dos gêneros sob a ótica dos estudos do Círculo e para a compreensão de como o cinema se constitui, necessariamente, de outros gêneros, bem como para verificar, mais especificamente, como se constitui o musical. Nas esferas de atividades é que nascem os gêneros, com suas particularidades e re(leituras), como o exemplo do corpus da pesquisa, que se constitui como enunciado musical. Mais que incorporada, a canção se faz presente nesse tipo de construção fílmica de maneira constitutiva. Sem ela, o gênero musical inexiste. Ora a serviço do enredo ou de algum personagem a canção faz parte da arquitetônica do musical. Logo, mais que apenas incorporação de um gênero por outro, a canção integra a composição do musical. Nesse sentido é que o presente trabalho busca refletir sobre a especificidade desse enunciado fílmico tendo como foco principal a sua constituição intergenérica (a importância da canção ou mesmo da música na arquitetônica do filme). Assim, a composição cinematográfica do musical é intergenérica porque se caracteriza como parte integrante essencial da sua produção: diferente de outros filmes, em que a canção ou a música pode ser retirada sem grande dano à narrativa e à constituição do enunciado, no musical, a retirada da canção ou da música é impensável, uma vez que, sem ela, toda a narrativa se esvai, já que ela é também o enunciado fílmico: sua forma composicional. O método aqui utilizado é o analítico-interpretativo, a pesquisa é composta por etapas de análise que partem do texto e o vêem como constituinte do gênero, por meio do discurso. As singularidades e as relações discutidas a partir do filme Les Misérables não buscam esgotar a espiral de ligações dialógicas de cada enunciado, mas sim fazer crescer e ganhar novas (re)form(ul)a-ações.