logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: O prefixo des-: origens e desenvolvimento
Autor(es): Alice Pereira Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Prefixo des-, Prefixo des-, linguística histórica
Resumo

A presente investigação situa-se no campo da formação de palavras, sob a perspectiva diacrônica e integra uma pesquisa de doutorado, vinculada ao Grupo de Morfologia Histórica do Português, coordenado pelo Prof. Dr. Mário Eduardo Viaro. Esse trabalho busca analisar a formação prefixal em palavras já derivadas, bem como em formações parassintéticas, tomando-se, para isso, os elementos formativos de- e des-. Durante o desenvolvimento do estudo, verificou-se que, enquanto o percurso do prefixo de- estava bem definido, des- não gozava da mesma condição. Apesar de este afixo ser bastante produtivo em língua portuguesa e estar presente em outras línguas românicas, como galego, espanhol, catalão, francês e romeno, a sua origem não está completamente esclarecida. Comumente, encontram-se, nas principais gramáticas históricas, três hipóteses a respeito do seu desenvolvimento. Para alguns, o prefixo teria sido o resultado da junção entre as preposições de e ex ou da união desta e do prefixo dis-; para outros, seria simplesmente a continuação do prefixo dis- latino. Nunes (1945) admite duas possibilidades “(...) tanto pode resultar de dis-, como da junção das duas preposições, de e ex- (...)”. Mas, para Said Ali (1964) o prefixo des- seria romanização do dis-. Além disso, o autor não concorda com outra hipótese de origem, argumentando que “Semelhante operação não se fazia em latim culto e é improvável que o latim vulgar, onde justamente o emprego de ex como preposição tendia a desaparecer, sentisse a necessidade de agregá-la a outra partícula para constituir prefixo duplo.” (1964: 250). Contudo, contrariamente ao que assevera o autor, essa junção é atestada por diversos estudiosos, como Vasconcelos (1887-1943), Piel (1989), Lang (1977). Sem dúvida, se tomarmos os significados de dis- e aqueles encontrados em des- e, somando-se a isso, a semelhança formal entre esses elementos, seria mais provável filiar o des- a esse étimo. Contudo, a observação do desenvolvimento dos prefixos latinos em apreço, nas línguas românicas, aponta para uma situação um pouco mais complexa. Desse modo, buscou-se desvendar, mais detalhadamente, o percurso de des- por meio de amplo levantamento bibliográfico sobre o prefixo em português, aliado ainda a pesquisas a respeito de sua trajetória em outras línguas românicas. Assim, foi possível esclarecer os meandros pelos quais percorreu até irromper na língua portuguesa.