logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Atos de fala diretivos e sua entoação
Autor(es): Alexandre Braga Badaue Coelho, Manuella Carnaval. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Prosódia, Prosódia, Atos de fala
Resumo

Os atos diretivos correspondem a uma das cinco classes de atos de fala apontadas por Searle (1969), que, por sua vez, consistem pragmaticamente  em um esforço do falante a que o ouvinte realize uma ação. Atos diretivos seriam ordem, desafio, pedido, súplica, sugestão e alerta, sendo a ordem e o pedido os mais prototípicos. Searle sugeriu a entoação como um dos mecanismos de distinção dos atos de fala, já que estes apresentam contornos melódicos bastante diferenciados. O objetivo dessa pesquisa, portanto, é descrever foneticamente os contornos melódicos de seis atos diretivos (ordem, desafio, pedido, súplica, sugestão e alerta), com especial atenção para o fator “extensão do enunciado” em sua manifestação prosódica, o que significa analisar a relevância que o número de sílabas do enunciado e sua respectiva acentuação desempenham na percepção de cada ato para o falante. Para tanto, foi utilizado um corpus de fala atuada, com a seleção de enunciados com a entoação dos seis atos diretivos (ordem, desafio, pedido, súplica, sugestão e alerta). Para cada ato, foram selecionados quatro enunciados de um informante com as seguintes extensões e acentuações: monossílabo, paroxítono de duas sílabas, paroxítono de três sílabas e paroxítono de seis sílabas. Em seguida, houve a aplicação de testes auditivos para o reconhecimento da intenção do locutor, assim como para a legitimação de sua performance, além de uma análise acústica para a caracterização do padrão entonacional de cada ato. Procedeu-se à manipulação dos contornos melódicos, com estilização da curva entonacional como close copy, isto é, uma simplificação do padrão prosódico de cada enunciado de modo que não fosse afetada sua percepção em relação ao enunciado original (t’Hart et al. 1990). Por fim, testes perceptivos foram aplicados para avaliar as consequências fonológicas (de caráter funcional) das alterações realizadas no padrão original. Os resultados obtidos foram satisfatórios, pois corresponderam à expectativa de que, quanto maior fosse a extensão do enunciado, maior seria o percentual de reconhecimento de cada ato diretivo no teste perceptivo. Essa confirmação nos conduziu a relevantes conclusões, que contribuíram de forma consistente para os rumos de nossa pesquisa.