logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Análise semiótica da vinheta de abertura da série Dexter: compreendendo os elementos que constituem e caracterizam a personagem principal
Autor(es): Giovanna Mara Ferreira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 25/02/2024
Palavra-chave semiótica plástica, semiótica plástica, vinheta
Resumo

Dexter é uma série de televisão norte-americana, criada em outubro de 2006, que narra a história da personagem Dexter Morgan. Morgan é um assassino em série, que mantém uma vida dupla: trabalha como analista forense, especialista em padrões de dispersão de sangue, no departamento de polícia de Miami, mas durante a noite é um implacável serial killer. A série de TV foi baseada na trilogia escrita por Jeff Lindsay. A primeira temporada foi, em grande parte, fundamentada no livro Darkly Dreaming Dexter. Um dos fatores que compõem o sucesso da série Dexter é sua vinheta de abertura conhecida como Morning Rotine. A importância das vinhetas se evidencia por se tratar do produto audiovisual que estabelece o primeiro contato do público com a obra, de modo a despertar interesse pelo mundo ficcional que apresenta, fornecendo ao telespectador os traços fundamentais que tornam a narrativa atraente. As vinhetas de abertura, pelo sentido que são capazes de produzir, destacam a identidade visual e narrativa do programa, de modo que seus elementos se tornam de grande relevância para uma análise com viés no campo da semiótica, permitindo observar o jogo entre componentes tanto do plano do conteúdo quanto do plano da expressão e, principalmente, as inter-relações que se estabelecem entre os dois planos. O objeto de análise selecionado para este trabalho é justamente a vinheta do seriado americano Dexter (Showtime, EUA, 2006). A partir da história do serial killer e sua complexa formação como psicopata, buscamos, inicialmente, analisar traços de natureza semiótica, por meio de relações sincréticas e semi-simbólicas que constituem a vinheta inicial da série. Com base também nos estudos de Jean Marie Floch e Antônio Pietroforte, sobre semiótica plástica e/ou visual, o que nos interessa é associar os elementos tanto do plano da expressão quanto do plano do conteúdo a fim de descrever a vinheta de abertura de forma o mais completa possível e melhor desenvolver as características da personagem principal da série. Não há dúvida de que Morning Rotine apresenta uma visualidade notável que, em associação com a musicalidade e com efeitos sonoros, compõe uma textualidade sincrética de grande importância para nossa análise. Nosso estudo consiste, assim, em caracterizar tanto o plano da expressão quanto o plano do conteúdo, buscando descrever os efeitos de sentido que se constroem pela associação entre os dois planos da linguagem.