logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: “Preciso de um favor seus”: padrões de ordem e concordância na realização do possessivo
Autor(es): Bruna Karla Pereira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave concordância, concordância, possuidor
Resumo

Este trabalho investiga estruturas do português brasileiro em que há “discordância” em número entre possessivo e nome. Como se observa em (1) e (2), ‘seus’ e ‘suas’, possessivos de 2ªPL, estabelecem concordância em número não com o nome, mas com o possuidor plural, e equivalem semanticamente a ‘de vocês’.

(1) Preciso de um favor seus (Proferida por economista e dirigida a engenheiros, Belo Horizonte, fev.2014).

(2) A decisão final é suas (Proferida por funcionário de construtora e dirigida a engenheiros, Belo Horizonte, fev.2014).

O fenômeno investigado, presente em PB não padrão, especialmente no dialeto mineiro, não encontra registro nas gramáticas tradicionais e de uso estudadas (CUNHA;CINTRA,2001; BECHARA,2003; NEVES,2000; CASTILHO,2010) nem nos trabalhos sobre pronomes possessivos consultados (PERINI,1985; KATO,1985; SILVA,1996; CERQUEIRA,1997; MÜLLER, 1997; ROCHA, 2009). Além disso, não se trata de concordância não redundante (SCHERRE,1997), identificada quando apenas o primeiro elemento do DP é flexionado no plural. Apesar de a concordância em número com o possuidor ser um padrão semelhante ao sistema possessivo do inglês, e, neste aspecto, se distinguir das línguas românicas, a concordância em gênero mantém-se em (1) e (2). Além disso, a posição do possessivo é determinante em sua descrição sintática e pode ser analisada a partir de proposta feita para o espanhol. Bernstein (2005) mostra que pronomes possessivos pós-nominais no espanhol apresentam estatuto sintático diferente de possessivos pré-nominais, dentre outras razões, por apresentarem complexidade morfológica maior, conforme contraste entre “sus casas” e “casas suyas”. Além disso, a autora mostra que, diferentemente do inglês (a friend of yous), no espanhol, possessivos pós-nominais não são precedidos por preposição. Em vez de uma preposição, o espanhol teria um complementizador zero introduzindo uma oração relativa reduzida. Nesta proposta, D tomaria CP como complemento [D[CP]], nos moldes da análise de Kayne (1993 apud BERNSTEIN, 2005, p.66). Portanto, a concordância do possessivo pós-nominal seria mais sentencial que nominal. Esta hipótese pode ser aplicada a (1) e (2), porque o possessivo: i) é posposto (*um seus favor); ii) está dentro de um CP, pois pode aparecer em posição predicativa e suceder um verbo (2); e (iii) apresenta complexidade morfológica, pois concorda em gênero com o nome, mas em número com o possuidor. Logo, a proposta de Bernstein (2005), aplicada a (1), resultaria em (3). Nesta derivação, o possessivo ocupa a posição Spec,AgrP, correspondente ao IP da oração, enquanto o NP se move para Spec,CP, gerando assim a ordem pós-nominal.

(3) [DPum[CPfavori[AgrP/IPseus[NPti]]]].