logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A relevância referencial da dêixis discursiva em interações entre sujeitos afásicos e não afásicos
Autor(es): Natália Luísa Ferrari. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Dêixis discursiva, Dêixis discursiva, Afasia
Resumo

Nossa pesquisa de Mestrado buscou caracterizar o funcionamento da dêixis discursiva (DD), criadora de um foco de atenção comum pela remissão anafórica a conteúdos contextuais (MARCUSCHI, 1997; CAVALCANTE, 2003), em interações entre sujeitos afásicos (sujeitos com alterações de linguagem decorrentes de episódios neurológicos) e não afásicos participantes do Centro de Convivência de Afásicos (CCA) da UNICAMP. A escolha desse contexto interativo deve-se à abordagem do processo dêitico e do anafórico feita pela Afasiologia Linguística: entende-se que o primeiro seria produzido abundantemente, porque compensatório do déficit de seleção lexical dos sujeitos afásicos (LEHRER, 1974; CRYSTAL, 1984; GOODGLASS, 1993; VARLEY, 1993), e que o segundo, pela ideia de continuidade referencial restrita à operação cognitiva de coindexar um termo ao seu antecedente explícito, estaria perturbado em decorrência de sua lesão cerebral (CAPLAN e RIGALLEAU, 2004; EDWARDS e VARLOKOSTA, 2007). Orientados pela concepção de referenciação proposta pelos estudos textuais-interativos de orientação sociocognitivista (MARCUSCHI, 2001; KOCH, 2002; MONDADA e DUBOIS 2003 [1995]), tivemos por objetivo: i) analisar a função dêitica e a anafórica da DD, atentando para as semelhanças e diferenças entre sujeitos afásicos e não afásicos, e ii) qualificar o funcionamento desse processo referencial no contexto de fala em interação escolhido a partir de seus aspectos característicos observados. Para cumprir tais objetivos, constituímos um corpus de 10 episódios conversacionais dos quais participam os integrantes do CCA, pela observação de registros audiovisuais de 22 encontros do grupo e da seleção e transcrição de fragmentos conversacionais. A transcrição, baseada no sistema de notação proposto por Morato et al. (2011), que destaca a multimodalidade característica da fala em interação, nos permitiu observar a atuação de recursos verbais e não verbais na construção referencial. Observamos a ampla emergência da DD por dêiticos demonstrativos em função substantiva, especialmente na fala dos sujeitos afásicos, ao passo que na dos não afásicos, houve a presença de nomes conceituais na expressão referencial dêitica. Nesse processo, também compareceram recursos indiciais não verbais, tais como o gesto de apontar e o direcionamento corporal e do olhar, – conforme já observara Vezali (2011) – cuja carência descritiva não lhes retira a função de referir, mas qualifica a complexidade da referenciação da DD, responsável por invocar o cenário de relevância (HANKS, 2008) da interação em curso, ao tornar salientes determinadas informações contextuais. Além disso, ao contribuir para a construção do foco discursivo, a DD atua na construção argumentativa e tópica do texto conversacional. (Apoio: CAPES)