logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A variação de número e a construção de identidade social em duas comunidades de prática
Autor(es): Mircia Hermenegildo Salomão Conchalo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Variação, Variação, construção de identidade
Resumo

Com a criação do banco de dados Iboruna, na região de São José do Rio Preto, os estudos sobre concordância nominal (CN) e concordância verbal (CV), que exploram os aspectos sociolinguísticos da região riopretense, foram bem difundidos. No entanto, todos os trabalhos baseiam-se nos estudos labovianos e o lócus metodológico é a comunidade de fala. Não há, dessa forma, nenhuma pesquisa sobre a comunidade de fala riopretense que tenha trabalhado com a perspectiva estilística, em nenhuma das abordagens teóricas de estilo já desenvolvidas. Essa constatação é uma forte razão para que haja um estudo sobre fenômenos de concordância sob a perspectiva do estilo, visto que os estudos são escassos quando se trata da variação como prática social, com o objetivo de se ver a construção da identidade do indivíduo e a construção do significado social. Este trabalho procura investigar duas comunidades de prática de um escola pública estadual da cidade de São José do Rio Preto (SP), a fim de verificar os fenômenos de CN e CV como marcadores da construção da identidade social das comunidades de prática. Nesta comunicação, pretendemos discutir as relações simbólicas e, principalmente, as dinâmicas de cada indivíduo no grupo ao qual pertencem e com as outras comunidades de prática existentes no ambiente escolar. Nossa intenção é discutir como eles se integram em suas comunidades de prática, a fim de esboçar as características linguísticas e sociais mais relevantes dos grupos em questão. Analisaremos, dessa forma, duas comunidades de práticas: a primeira com características relacionadas à instituição escolar e a segunda com característica mais rebelde dentro do colégio e que, por vezes, se autodenomina de grupo da "zuação" ou do funk. Adotaremos a análise qualitativa, no molde etnográfico, visto que este tipo de análise é caracterizada por um contato direto do pesquisado com a situação investigada, onde as relações cotidianas são construídas. Discutiremos ainda os métodos qualitativos de coleta de dados, utilizados neste trabalho sociolinguístico, revelando as dificuldades encontradas dentro do campo de pesquisa. (Apoio: FAPESP - Processo 2011-00651-6)