logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Restrições aspectuais na composição entre cópulas e a preposição de
Autor(es): Marília Costa Pessanha Lara. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave cópulas, cópulas, aspecto
Resumo

Este trabalho investiga  as relações entre as cópulas do português, ser e estar, e os complementos preposicionais nucleados pela preposição de. Uma análise possível para a distribuição copular é a associação entre predicados-de-indivíduo (PI) e predicados-de-estágio (PE) a ser e estar, respectivamente. PI’s predicam sobre um indivíduo, sendo associados a propriedades permanentes, enquanto PE’s predicam sobre estágios de um indivíduo, sendo associados a propriedades temporárias (Carlson (1977)). Desta maneira, a frieza da carne (1a) seria uma propriedade válida em um dado momento, enquanto a frieza do Pólo Sul (1b)seria uma propriedade deste lugar como um todo; as diferentes cópulas dariam conta dessa distinção predicacional:

(1)  a. A carne está fria. b. O Pólo Sul é frio.

Outra linha de análise recusa essa abordagem, apontando sua insuficiência para além dos predicados adjetivais (Schmitt (2005), Zagona (2009), entre outros). Autores vinculados a essa tendência propõem análises que contemplam a morfossintaxe e a composição aspectual dos eventos em questão. O escopo de análise do presente trabalho é a composição aspectual que se dá entre a informação aspectual das cópulas (a partir de Schmitt (2005)) e dos predicados preposicionais nucleados por de em sentenças como:

(2) O intercambista é/*está da Coréia.

(3) Em casa de ferreiro, o espeto é/*está de pau.

(4) Eles *são/estão de bicicleta.

(5) O João *é/está de ministro de educação.

(6) Pedro *era/estava de palhaço no baile de carnaval.

Segundo Schmitt (2005), há ancoragem da eventualidade a momentos específicos em sentenças com estar. Assim, origem e composição (2-3) seriam propriedades não-ancoráveis, enquanto acessório, função e aparência (4-6) seriam ancoráveis. Neste trabalho, buscamos levantar mais ocorrências de propriedades não-ancoráveis e a motivação sintática dessa restrição. A partir do exposto em Avelar (2006), para quem a preposição de é inserida tardiamente na derivação, concluímos que esta preposição não é sintaticamente relevante nessas sentenças e portanto as restrições pertinentes se dão diretamente entre os DPs relacionados pela cópula.