logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Por experimentos de percepção da fala que testem teorias
Autor(es): Gustavo Nishida. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave teorias de percepção da fala, teorias de percepção da fala, multissensorial
Resumo

Os estudos experimentais em fonética têm contribuído com o fim das noções categóricas sobre as unidades da fala desde os questionamentos acerca dos universais fonéticos (Keating, 1985) e com os achados das alofonias gradientes (Sproat & Fujimura, 1993). Tais achados, por sua vez, têm salientado cada vez mais a necessidade de se investigar como esses detalhes fônicos finos são percebidos, i.e., se são ou não são relevantes para a percepção da fala. Diante deste crescente interesse pelo tema, há um aumento de experimentos que “buscam” testar como os usuários das línguas percebem esses detalhes. Nosso argumento é o de que tais experimentos não são teoricamente embasados, fazendo com que os resultados não “contribuam” com dados de interesse para alguma das teorias disponíveis. Ainda, argumentamos que, por carecerem de uma teoria de percepção da fala, os experimentos acabam sendo epistemologicamente incoerentes. Nosso trabalho, de natureza teórica, trata de um experimento de percepção (sobre o elemento vocálico adjacente ao tap) que não revela nada (Nishida, 2011), pois sua metodologia de edição e tratamento dos dados não condiz com o arcabouço teórico que descobriu tais detalhes fonéticos finos: a Fonologia Articulatória (Browman & Goldstein, 1992). Ao invés de considerar a fala como a sincronização de gestos, o autor do experimento de percepção editou os estímulos considerando-os como a justaposição de sons, o que em última instância seria a mesma coisa que considerar as unidades da fala do tamanho de fonemas ou de letras. Argumentamos que ao se filiar a uma teoria fonológica que trata a fala dinamicamente, deve-se fazê-lo também no que tange à percepção. Uma solução preliminar para o experimento que serve de objeto de análise para nossa proposta seria tratar a percepção no arcabouço da Teoria do Realismo Direto da Percepção da Fala (Fowler, 1996), que sugere um olhar multissensorial sobre a percepção da fala. Metodologicamente, seria esperado refinar a edição dos estímulos sonoros e inserir outro sentido no experimento, como o tato ou a visão, para que ele se “sintonize” com o seu arcabouço teórico.