logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Verbos alternantes: 'novos intransitivos' e os critérios de inacusatividade
Autor(es): Karla Angélica Fernandes Gomez. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave inacusativos, inacusativos, critérios de inacusatividade
Resumo

Dentre os verbos monoargumentais há uma divisão, proposta por Perlmutter (1978), de acordo com o número de argumentos selecionados em suas estruturas internas. Basicamente, aqueles verbos que selecionam apenas um argumento externo são chamados inergativos; os que selecionam apenas um argumento interno são inacusativos. Para fazer tal classificação são utilizados os critérios de inacusatividade. Um deles, a alternância causativa, é estudado por Andrade (2003), que acredita que na análise desse fenômeno não se pode considerar apenas as entradas lexicais dos verbos, mas também outras questões envolvidas no predicado, como a sintaxe de toda a sentença, a codificação de propriedades semânticas e o valor pragmático da oração. Contribuindo com os estudos dos inacusativos, Ciríaco e Cançado (2006) propuseram a noção de prototipicidade na categorização dos verbos monoargumentais de acordo com seu comportamento em alguns testes. Nesse trabalho, as autoras utilizaram dois testes semânticos (explicitação da rede temática e do aspecto de cada sentença) e três sintáticos (posposição do sujeito, indeterminação do sujeito e constatação da existência da forma de particípio). Alguns verbos se comportaram da maneira esperada em todos os testes e foram classificados como inergativos/inacusativos prototípicos, por exemplo, os verbos morrer, chegar, partir (inacusativos) e correr, nadar, pular (inergativos). Já outros não apresentaram o comportamento esperado e foram classificados como inergativos/inacusativos mais ou menos prototípicos, como cair e sair (inacusativos menos prototípicos), e sentar e suar (inergativos menos prototípicos). Observando esses e outros estudos já realizados acerca do tema, fica claro que grande parte dos verbos monoargumentais possui comportamento não homogêneo diante de alguns critérios de inacusatividade. Para nos auxiliar na busca de novos critérios para uma classificação mais eficaz dos verbos monoargumentais, o presente trabalho, que está de acordo com os pressupostos da Gramática Gerativa (Chomsky, 1986, 1995), passa a observar também dados de verbos que participam atualmente de alternâncias, principalmente transitiva-intransitiva, como os verbos engolir e lavar nas sentenças “O sanduíche engoliu” e “A roupa lavou” (Negrão e Viotti, 2010). O objetivo é verificar quais os padrões de verbos intransitivos estão sendo seguidos pelos novos verbos alternantes. Portanto, na presente pesquisa, espera-se contribuir para o estudo dos inacusativos adotando a noção de prototipicidade de Ciríaco e Cançado (2006), verificando a eficácia dos testes já propostos, além da aplicação de outros testes (sintáticos, semânticos e, principalmente, morfológicos) e a proposição de novos critérios de inacusatividade.