logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Colocação de clíticos em orações infinitivas preposicionadas na escrita produzida pela Escola Americana e Mackenzie College
Autor(es): Enedino Soares Pereira Filho. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Mackenzie, Mackenzie, Língua Portuguesa
Resumo

Integrando as pesquisas sobre história social da língua portuguesa e, mais especificamente o grupo de estudos sobre a Formação do português culto paulista: o papel das grandes escolas (1820 – 1934), este trabalho visa a dimensionar a contribuição da Escola Americana/Mackenzie College na formação e difusão da norma culta do português escrito em São Paulo. Os missionários presbiterianos que fundaram o Mackenzie eram adeptos da difusão da língua portuguesa, pois que, pioneiramente, adotaram-na como língua de ensino em seu colégio. Mais que isso, defenderam uma verdadeira "reforma" nos métodos de ensino da mesma, o que resultou na criação de gramáticas consideradas inovadoras dentro dos padrões da época e que orientaram não só a conduta linguística de parte das elites paulistana e carioca, mas também modificaram a maneira desses grupos de pensar e de se situar no mundo. Analisar-se-á, neste trabalho, o constituinte sintático clítico em oração infinitiva preposicionada, devido à possibilidade de variação na colocação do pronome (próclise ou ênclise) e, também, por causa dos padrões de uso desse constituinte, já verificados anteriormente, por algumas comunidades linguísticas. Como corpus, utilizou-se material impresso produzido no Mackenzie entre os anos 1870 e 1920. Trata-se de cartas, fotografias, prospectos, polêmicas, discursos de paraninfos, gramáticas e revistas acadêmicas que evidenciam o modo como esse segmento social usava o português culto. A necessidade de vincular o material linguístico produzido pelo Mackenzie a sua postura contracultural em relação à cultura então dominante em São Paulo, fez com que privilegiássemos a priori uma análise sócio-histórica dos dados recolhidos para, em seguida, analisá-los à luz das teorias linguísticas (sobretudo sociolinguísticas). Assim, fontes secundárias relacionadas à história e sociologia do protestantismo no Brasil embasam essa análise que é amparada, sobretudo, por uma metodologia de pesquisa sociológica e histórica. Os resultados parciais obtidos até aqui indicam uma boa aceitação da norma linguística lusitana entre os mackenzistas – o que pode ser verificado pelo tipo de literatura ensinada no Mackenzie. Ademais, a quantificação dos dados analisados até então, demonstra que, no caso dos clíticos em orações infinitivas preposicionadas, o padrão regular de colocação (próclise ou ênclise) se assemelha bastante ao padrão do português lusitano culto moderno.