logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Entre composição e incorporação nominal: a formação de núcleos verbais complexos
Autor(es): Ana Paula Scher, Vitor Augusto Nóbrega. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Composição, Composição, Morfologia Distribuída
Resumo

As formações caracterizadas como casos de incorporação nominal, ou seja, formações em que um nome é fundido a um verbo para formar um núcleo verbal (e.g., Catalão: cama-trencar lit. perna-quebrar ‘quebrar as pernas’; Grego: afis-o-kolo lit. cartazes-fixar ‘fixar cartazes’) transitam entre análises que ora as consideram resultado de movimento sintático (cf. BAKER, 1988), ora casos de composição (cf. PADROSA-TRIAS, 2007; MITHUN, 2010). Paralelamente, essa distribuição de análises soma-se, ainda, a um intenso debate sobre qual é o componente da gramática responsável pela formação desses dados, se a morfologia ou a sintaxe. Padrosa-Trias (2007), por exemplo, elenca um conjunto de propriedades para endossar a primeira posição, argumentando que a (i) ausência de referencialidade no núcleo nominal, (ii) a presença de núcleos nominais adjungidos ao verbo (e.g., Catalão: coll-portar lit. pescoço-carregar ‘carregar no pescoço’) e (iii) a ordem NV, contrariamente à ordem VN do catalão, enfraquecem uma abordagem sintática. Opostamente à autora, defendemos que uma abordagem sintática para a explicação desses dados é mais adequada, além de ser a única capaz de garantir as relações sintáticas verificadas internamente aos dados. Concentrando-nos, primeiramente, nos argumentos da autora, mostraremos que eles podem ser perfeitamente abarcados em uma abordagem sintática, visto que (i’) a ausência de referencialidade em nomes internos a compostos decorre da constituição de traços do núcleo nominal (cf. NÓBREGA, no prelo), (ii’) a adjunção de um nome a um verbo é resultado da natureza da operação Merge responsável por concatena-lo ao núcleo verbal, e (iii’) a ordem inversa decorre de fatores externos ao componente sintático, e está relacionada ao componente morfológico da gramática, pós-sintaticamente. Em seguida, assumindo que casos de incorporação nominal são exemplos de composição, discutiremos a inserção de um quadro de subcategorização nessas estruturas verbais quase-sentenciais, mostrando como os dados supramencionados, bem como formações semelhantes, tomadas, em algumas análises, como resultado de derivação regressiva em compostos sintéticos do inglês (e.g. Inglês: baby-sitter lit. bebê-acompanhante - ‘babá’ à to babysit ‘cuidar de bebês’; shoplifter lit. loja-ladrão ‘ladrão de lojas’ à to shoplift ‘roubar lojas’), podem exigir argumentos não previstos pelo verbo interno ao composto (e.g., Catalão: El caçador va camatrencar l’ocell ‘o caçador vai quebrar as pernas do pássaro’; Inglês: He shoplifted clothes ‘Ele roubou roupas na loja’). Para tanto, sugerimos que há a criação de um domínio categorial verbal acima dessa estrutura sintática, o qual carrega um conjunto de traços de seleção responsáveis por permitir a introdução de novos argumentos.