logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A ficção histórica em Café pequeno, de Zulmira Ribeiro Tavares
Autor(es): Lucilene Soares da Costa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Zulmira Ribeiro Tavares, Zulmira Ribeiro Tavares, Literatura e história
Resumo

A presente comunicação, “A ficção histórica em Café pequeno, de Zulmira Ribeiro Tavares” (1994), pretende refletir sobre as nuances da representação histórica no segundo romance da autora. Nesta obra, Zulmira volta a trabalhar os dados concretos e históricos do espaço (e do tempo) paulista de uma forma que lembra a de O nome do bispo (1985), seu primeiro romance, talvez até mesmo com mais acuidade. De fato, é impressionante a profusão de dados (históricos, cronológicos e até "zoológicos") levantados pela autora na composição deste livro. Como em O nome do bispo, a narrativa se dá através da projeção de fatos passados através de uma personagem situada no "presente". Merece atenção à parte o tratamento que a autora imprime à matéria histórica e ao tempo, que não são recuperados de maneira linear, mas sim num movimento espiralado no qual o passado surge insistentemente para desestabilizar os valores das personagens e elucidar suas equívocas práticas ideológicas no presente. Os acontecimentos externos, inicialmente, servem como "pano de fundo" à ação que se desenvolve no interior da casa burguesa, mas, progressivamente, adquirem desdobramentos que acabam por afetar diretamente esta esfera. A penetração da matéria histórica, no entanto, não significa que haja um comprometimento do romance com a verdade factual, ou o situe na mesma linha, por exemplo, dos "romances biográficos" contemporâneos. Talvez lembre de alguma forma a perspectiva adotada por algumas narrativas ditas "pós-modernas", em que o minucioso enquadramento do espaço e do momento histórico serve como componente do painel social que se pretende focalizar. Nesse sentido, talvez as reflexões de Paul Ricoeur sobre a configuração do tempo na narrativa de ficção (Tempo e narrativa, 2010) e de Peter Burke sobre a escrita da história (A escrita da história: novas perspectivas, 2011) possam oferecer algumas pistas teóricas para a análise e conceituação desses elementos no romance em questão.