logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A linguagem gauchesca como constitutiva da língua portuguesa
Autor(es): Tuane Cardozo da Cruz. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave gaúcho, gaúcho, língua
Resumo

Essa pesquisa consiste em mostrar as possibilidades que temos de se estudar diferentes instrumentos lingüísticos, tendo em vista compreender o imaginário social que se tem a respeito da imagem de gaúcho que fala e que é falado, explicitando o que difere no interior do mesmo. Trata-se de pensar na linguagem que é gauchesca e que está presente nos dicionários, mas que, para além disso, é constitutiva da língua portuguesa no e do Brasil. Cremos então, na possibilidade de realização de um levantamento e análise das características próprias do sujeito que é o gaúcho e que é brasileiro que representa e é representado na e pela língua, um sujeito que vive sua cultura e conta sua história, criando laços com a produção/circulação dos sentidos, no decorrer dos tempos. Sendo assim, a presente pesquisa tem como objetivo: Averiguar a constituição/instituição do sujeito, da língua e da história em instrumentos lingüísticos diferentes. Para esse trabalho foram selecionados o dicionário Aurélio e Dicionário do Regionalismo do Rio Grande do Sul. A metodologia utilizada para levar ao cabo a investigação consistiu em três momentos diferentes. O primeiro passo foi nos determos no levantamento e na seleção dos dicionários que interessem a essa pesquisa. No segundo passo, nos detemos à leitura criteriosa, criando laços entre a constituição/institucionalização da língua e da história, simbolizadas pela posição-sujeito do lexicógrafo ou dicionarista, que assume a autoria do instrumento lingüístico apresentado. Dentre essas relações destacamos as internas, as externas e as lingüístico-discursivas. E para finalizar, no terceiro passo, realizamos a análise do discurso (de linha francesa) presente nas designações e descrições que revelem a constituição do sujeito, a constituição/instituição dessa língua que é do colonizador, que é nacional, que é local e que é constitutiva de uma identidade e por fim, de elementos do processo de construção da História das Idéias Lingüísticas, através do processo de gramatização da (s) língua (s). Nossa pesquisa indica diferenças, aproximações e distanciamentos entre os dicionários analisados. De fato, os dicionários revelam diferentes imagens desse sujeito que é primeiro brasileiro que fala a língua portuguesa, mas que se identifica com a linguagem regional do sul do Brasil.