logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Sobre os chamados adjetivos relacionais no português brasileiro
Autor(es): Rafael Dias Minussi. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Adjetivos relacionais, Adjetivos relacionais, português brasileiro
Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar o comportamento de uma classe especial de adjetivos chamada de adjetivos relacionais (doravante AdjR) no português brasileiro (PB). Em consonância com alguns trabalhos sobre os AdjR crosslinguisticamente, realizados por Mezhevich (2004) para o russo, McNally e Boleda (2004) para o catalão, Fradin (2007) para o italiano e Bisetto (2010) para o árabe e japonês, entre outros, fazemos uma análise das principais propriedades desse tipo de adjetivo, a fim de melhor descrever, caracterizar e entender o comportamento dessa classe no PB. Bisetto (2010) caracteriza os AdjR por expressarem uma relação entre o nome, do qual o adjetivo é formado, com o nome em que ele pode acompanhar, por exemplo: muscular, formado a partir do nome “músculo” e que pode acompanhar um nome como “dor” em “dor muscular”. No PB, podemos notar uma ligação entre esses adjetivos e nomes que podem ter função adjetiva (cf. BASILIO, 2004), os quais estão localizados principalmente em dois tipos de estrutura: (i) uma estrutura derivada, como organizador, evolucionista e fortificante; e (ii) uma estrutura composta, como comício-monstro, sociólogo-presidente, entre outros. Entre as principais propriedades estudadas, amplamente testadas em diversas línguas, estão: (i) a falta de possibilidade de predicação *this decision is senatorial ‘*a decisão é senatorial’; (ii) falta de propriedades graduáveis *a very senatorial decision ‘*uma decisão muito senatorial’; (iii) falta de coordenação com adjetivos qualificadores *the big and wooden table ‘uma mesa grande e lígnea’; (iv) propriedades de argumento “problemi menopaus-ali = problemi della menopausa” ‘problemas de menopausa’ e (v) adjacência estrita para modificar o nome em uma única posição *chimico processo vs. processo chimico ‘*químico processo’ vs. ‘processo químico’, entre outros. O presente trabalho utiliza a Morfologia Distribuída (cf. HALLE; MARANTZ, 1993), que defende a formação de palavras na derivação sintática a partir de raízes acategoriais, que recebem sua categoria pela adjunção de categorizadores como n, a e v. Teoricamente, este trabalho suscita questões sobre como é realizada a categorização de nomes que possuem função adjetiva, ou seja, há a necessidade de uma nova categorização desses nomes? As conclusões da análise dos dados do PB estão de acordo com Bisetto (2010) no que diz respeito aos AdjR não serem diferentes dos demais adjetivos. Além disso, os dados de AdjR do PB mostram propriedades bastante diferentes daquelas encontradas em outras línguas, principalmente em relação à coordenação, predicação e possibilidade de iteração.